sexta-feira, 12 de maio de 2017

A VERDADE SOBRE PROTUGAL VISTA COM 44 ANOS DE ANTECEDÊNCIA

Foto de Narciso Almeida.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

A MULHER QUE QUER MAIS MULHERES NO PODER SEJA ONDE FOR

O Noticias Magazine de 30 de Abril de 2017, sob o título em epigrafe, publicou uma entrevista dada por uma assumida feminista.
Como não poderia deixar de ser confesso-me como um acérrimo defensor do Direitos das mulheres e da igual de gênero, pese embora desconhecer o que é isso quererá dizer. No entanto, acima de todos os Direitos estão os Direitos Humanos onde se inclui o Direito à vida. 
Ser feminista, machista, sexista, capitalista, fascista, comunista, socialista, populista, entre outros istas, não implica que um dirigente político ao serviço do Estado, destrua a relação entre os médicos e os doentes, que recuse pagar o vencimento aos internos gerais, que se envolva em negócios informáticos obscuros ou que propague doenças infecto contagiosas, como a SIDA.
Como sabemos, a hemofilia é uma doença hematológica ligada ao cromossoma X, caracterizada por deficiência de factores de coagulação VIII e IX.
O sexo feminino caracteriza-se por ter dois cromossomas X (XX), enquanto o masculino tem um X e um Y (XY).
No caso das hemofilias o sexo masculino é doente porque só tem um X, enquanto o sexo feminino é portador da doença por ter dois X (XX).
Importar sangue ao preço da chuva, mas contaminado com o vírus da SIDA e transfundi-lo em doentes do sexo masculino é, no meu modesto entender, não um feminismo, mas um sexismo levado aos extremos, que visa exterminar o sexo oposto, o que constitui crime de homicídio e propagação de doença infecto contagiosa.
A tal senhora, não gosto da palavra mulher, foi indiciada pela prática de homicídio por negligência com dolo eventual, mas o processo prescreveu. SURREALISMO PURO.
Infelizmente não me é dado conhecer que os processos por negligência em que os médicos estão ou estiveram envolvidos tenham alguma vez prescrito. PORQUE SERÁ?
A mesma senhora envolveu-se em negócios informáticos para o Ministério da Saúde, com um celebre Secretário de Estado do seu gabinete que, em 1994, foi condenado a 7 anos de prisão, mas, pasme-se, a sentença foi considerada inconstitucional em 1999.
Em 2003 teve lugar novo julgamento, mas como é normal na Justiça Portuguesa, só para alguns, o processo prescreveu em 2004.
Em 2014, o tal ex. senhor Secretário de Estado da Saúde, homem de grande mérito, foi nomeado consultor de sistemas da Fundação Champalimaud. COINCIDÊNCIAS.
Desconhecesse o paradeiro do senhor ZéZé Beleza que tanto quanto se sabe é distinto irmão da distinta senhora, também ele envolvido nos negócios informáticos do ex. senhor Secretario de Estado da Saúde. Será que também foi distinguido com um “tacho” na Fundação Champalimaud?

Uma vez que os políticos perderam a vergonha, os senhores jornalistas tem a obrigação publica e moral de serem mais comedidos na promoção de imagens de indivíduos que são um mau exemplo social e uma vergonha Nacional.