sábado, 10 de dezembro de 2016

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E MASOQUISMO


Qualquer semelhança com casos verdadeiros é pura coincidência.
Os nomes dos intervenientes são fictícios.
Miquelina das minhocas, de 44 anos de idade, com 87 Kg, e várias plastias, assumia-se como uma moçoila roliça e muito elegante.
Na maré baixa do leito do Rio Douro, dedicava-se à apanha de minhocas que numa fase posterior vendia aos pescadores à cana.
Conheceu o Manel dos anzóis, seu cliente de minhocas, pescador à cana.
Manuel dos anzóis era um homem esbelto e musculoso de ginásio, com 156 cm. 45 kg de peso. Um autentico Adônis!
Encetaram um namoro que terminou em união de facto, como sói dizer-se.
Decorrido um ano, passada que foi a euforia do amor, Miquelina das minhocas queixava-se que o Manel dos anzóis não a satisfazia sexualmente, já que possuía um pênis rudimentar.
As discussões por causa do sexo eram frequentes porque e sempre que desempenhavam o acto de vai e vem, Miquelina das minhocas impulsionava o Manel dos anzóis até ao tecto, que caía desamparadamente em cima da obesidade do ventre de Miquelina.
Miquelina das minhocas propôs ao Manel dos anzóis experiências com outros parceiros, reconexões e sexo tântrico ao que ele não se opôs.
No entanto estas experiências não solucionaram os problemas de Miquelina das minhocas, que propôs novas experiências, como algemas, chicotes para deslizar, dildos negros com dois pénis e rugosidades, mascaras e velas adquiridas na sexy shop.
Certo dia munidos dos “brinquedos” descritos iniciaram uma sessão.
Miquelina das minhocas foi algemada.
De seguida o Manel dos anzóis pega no chicote e fá-lo deslizar lentamente pelo corpo de Miquelina.
A certa altura, em êxtase, perdem a noção da realidade.
Miquelina das minhocas que tinha assistido ao filme “As cinquenta sombras de Gray” diz.
- Manel!
- Bate com mais força! (Prás!)
- Força! (Prás)
- Força Manel! (Prás! Prás!)
E o Manel bateu! Claro!
Miquelina das minhocas ficou com as costas e os nadegueiros a sangrar e com marcas do chicote.
No dia seguinte, após ter mostrado o dorso às suas colegas do emprego, Miquelina foi aconselhada a apresentar queixa de violência doméstica.
Dirigiu-se à Associação Portuguesa de Apoio á Vigarice que tomou conta da ocorrência, aconselhado a que recorresse ao sistema judicial.
Miquelina não seguiu a sugestão.
Na noite seguinte, Miquelina não disse ao Manel que tinha ido à Associação e que queria fazer sexo com as mascaras e os dildos.
Acontece que depois de uma noite sexualmente festiva, utilizando as máscaras e o dildo com dois pénis, Manel dos anzóis introduzi-os nos orifícios correspondentes.
Não sei se estão a entender?
Os dildos, besuntados com gel erótico, foram introduzidos suavemente, mas com o decorrer do entusiasmo e descontrolo, o Manel dos anzóis utilizou alguma agressividade tendo lesado os esfíncteres de Miquelina das minhocas, que dilatados provocaram dois dias de incontinência diarreica.
Á semelhança do anterior, Miquelina narrou o seu estado às colegas do emprego que, aconselharam a ir apresentar queixa de violência doméstica, violação e sodomização.
Mais uma vez Miquelina dirigiu-se à Associação, que lhe propuseram uma observação por cirurgia, medicina legal e lhe ofereceram uma casa de abrigo, paga com os impostos dos cidadãos.
Claro que Miquelina das minhocas sentia alguma relutância em se apresentar perante os médicos e as entidades judicias, porque tinha vergonha de narrar os factos.
Decorridos seis meses, Manel dos anzóis é notificado para se apresentar perante o Ministério Público, como arguido, acusado de violência doméstica, violação e destruidor de esfíncteres.
Manel dos anzóis bem que negou!
Protestou!
Descreveu a verdade dos factos afirmando e jurando, a pés juntos, que ela é que quis.
De nada lhe adiantou a sua contestação.
Na presença de três crimes públicos, violência doméstica, violação, e meter dildos onde não se deve, Manel dos anzóis foi julgado e condenado a cinco anos (não ânus) de prisão efectiva e a uma pensão de alimentos.
No momento actual Manel dos anzóis encontra-se a cumprir pena na cadeia de Custoias onde, segundo se consta, é ensinado que certas partes do corpo são única e exclusivamente para expelir e não introduzir, com a agravante de que as “aulas” são com dildos verdadeiros sem lubrificante.
A Miquelina, proibida de ir às minhocas, encontra-se na casa de abrigo para onde transportou os “brinquedos” aos quais vai dando alguma utilidade iludindo a vigilância das pregadoras da moralidade.
Pregadoras que fazem recordar o Movimento Nacional Feminino e a Legião Portuguesa do tempo da “outra senhora,” que não recebiam subsídios estatais e tempos em que os Tribunais investigavam estes crimes evitando a condenação de inocentes.
Moral da história.
A liberdade sexual não é tão livre quanto o suposto.
A utilização de dildos deve ser criteriosa.
A cada dildo, cada orifício.
As vigaristas (os) deviam ter os mesmos direitos perante a Associação de Apoio às Vigarices, mas não tem.