sábado, 4 de junho de 2016

EXPOSIÇÃO, RECALCAMENTO, FRUSTRAÇÃO


EXPOSIÇÃO, RECALCAMENTO, FRUSTRAÇÃO

RECALCAMENTO

Freud afirmou que "O Recalcamento” faz parte da fundação do inconsciente e é o pilar fundamental sobre o qual assenta a Psicanálise".

É um processo intrínseco ao próprio Eu que depende de acontecimentos externos.

Funciona como um mecanismo de defesa com a intenção de manter fora da consciência um conjunto de representações que despertariam sentimentos de vergonha e dor.

Num artigo de 1915, ele pergunta: - "Por que uma moção pulsional, deveria ser vítima de semelhante destino (recalcamento)?"

Porque o caminho em direção à satisfação pode produzir mais desprazer do que propriamente prazer.

O que dá prazer em algum lugar, pode ser extremamente desprazer em outro e  desta forma, fica estabelecida a condição para o recalcamento, onde a força do desprazer é maior que a satisfação do prazer.

O recalcamento satisfaz a pulsão e não está contra ela.

Não elimina progressivamente o inconsciente, antes o constitui.

O inconsciente constituído pelo recalcamento continua insistindo no sentido de possibilitar a satisfação da pulsão.

Assim, o recalcamento é ao mesmo tempo um mecanismo do sistema pré-consciente-consciente, contra os efeitos do inconsciente, bem como o mecanismo responsável pela divisão  psíquica em inconsciente e pré-consciente-consciente.

Freud já havia admitido a decomposição do processo de recalcamento em três fases distintas: - Fixação; recalcamento propriamente dito; retorno do recalcado.

Definição de Recalcamento, contida no Vocabulário de Psicanálise de Jean Laplanche e J-B. Pontalis:

  1. Operação pela qual o indivíduo procura repelir ou manter no inconsciente representações (pensamentos, imagens, recordações), ligadas a uma pulsão.

O recalcamento produz-se nos casos em que a satisfação de uma pulsão, susceptível de proporcionar prazer, ameaça provocar desprazer relativamente a outras exigências.

É um fenômeno marcante na histeria, mas também presente em outras doenças  mentais, assim como em psicologia normal.

É considerado um processo psíquico universal, na medida em que está presente na constituição do inconsciente, como um domínio separado do resto do psiquismo.

  1. Num sentido mais vago, o termo, muitas vezes, é tomado por Freud como próximo à defesa e, em outro sentido, na medida em que o modelo teórico do recalcamento é também utilizado por Freud, como sendo o protótipo de outras operações defensivas.

FRUSTRAÇÃO

O Frustrado é aquele que não conseguiu concretizar seu objetivo de vida.

É uma emoção que ocorrem quando identificamos uma divergência entre o que planejamos alcançar e o que realmente aconteceu.

Existe uma sensação de incapacidade de ultrapassar, obstáculos impeditivos de chegar onde se deseja.

Quanto maiores as expectativas maior será a frustração.

Expectativa que frustradas podem despertar uma vontade de mudança, transformado-se em impulso para novas acções.

Em psicologia, frustração é um sentimento de privação de uma satisfação primordial, apresentado varios sintomas ligados à desestruturação emocional que ocorre em diferentes níveis, acarretando graves consequências.

Processos frustrantes:

- Por barreiras, quando existe um obstáculo que impede de se chegar ao objetivo.

- Por incompatibilidade entre dois objetivos positivos.

- Por conflito entre duas situações negativas.

- Por conflito entre situações positivas e negativas em igual medida.

O comportamento passivo-agressivo é um método de lidar com a frustração, que quando não funciona, a solução adoptada é uma regressão inconsciente, consciente ou simulada a um comportamento infantil e mimado, visando comover ou sensibilizar terceiros através de algum tipo de apelação emocional.

O comportamento passivo-agressivo é um traço de personalidade que se manifesta como uma resistência difusa em satisfazer expectativas de relações interpessoais ou envolvendo o cumprimento de tarefas, caracterizado por atitudes negativas indirectas e oposição velada.

Pode-se manifestar principalmente na forma de vitimização, na qual o individuo, tende a culpar os outros, em vez de reconhecer as próprias fraquezas; procrastinação; teimosia; ressentimento; azedume ostensivo como forma de desanimar as pessoas ao redor; falhas repetidas e deliberadas para retardar ou impedir a concretização de pedidos ou tarefas pelos quais é responsável; ambiguidade ou fala enigmática como forma de instilar um sentimento de insegurança nos outros; atrazos e esquecimentos constantes, que funcionam como um modo de exercer controle ou de punir; medo de competição; medo de dependência; medo de intimidade, que funciona como manifestação de raiva; desconfiança, que impede o passivo-agressivo de se tornar íntimos de alguém; camuflagem na forma de confusão planejada, justificativas para baixa performance em trabalhos em equipe; má vontade.

EXPOSIÇÃO.

Nas sociedades modernas, diariamente ficamos expostos às analises criticas (construtivas ou destrutivas) individuais (quando nos cruzamos na via pública)ou colectivas (através da comunicação social ou das redes sociais, como o FB), que nos pode desencadear recalcamentos e frustrações.

Vivemos o Big Brother.

Conscientemente não reconheço, em tempo algum, ter recalcado qualquer pulsão de desprazer.

Os deprazeres conduzem-me à réplica ou ao contraditorio dos factores externos, que me desencadeiaram o desprazer que podem, aqui, ser entididos como mecanismos de defesa.

Desta forma consciente, liberto a mente dos deprazeres que me causariam angustia tranferindo-os para quem os desencadeou através da confrontação verbal ou fisica se fôr o caso.

Sigo o Principio, segundo o qual, de quem me desencadeia desprazer como por exemplo abusar da minha humildade, bondade, humanidade, honestidade e verdade, jamias ficará com o prazer de o ter efectivado porque a sua vida jamais será a mesma.

Assim, o desprazer que me desencadearam transforma-se em prazer que me liberta a mente e me exclui dos doente recalcados com os quais nos cruzamos diariamente e que viajam pela net.

Antes expôr-me que ser um doente recalcado.

Portanto fica explicito que quem tiver a veleidade de me desencadear deprazer ou recalcamentos levará a resposta ou respostas em conformidade com a “agressão”  ou desprazer que tinham a pretensão de desencadear.

Quanto às frutações tenho que assumir que a sinto desde que me conheço como por exemplo: Ser orfão de pai aos 11 anos de idade; não ser lincenciado em Direito; ser português; viver num país atolado na corrupção, não conseguir contrariar a morte e as doenças graves das minhas doentes; sentir-me impotente na resolução de doenças mentais, entre outros.

Estes são os obstáculos que me impedem de realizar alguns dos objectivos que me propus ao longo da vida, o que não me permite negar que por vezes tenho um comportamento passivo/agressivo.