quarta-feira, 15 de junho de 2016

CRONICA DO DIA 14 DE JULHO DE 2016 “JUSTIÇA TIROU FILHO A MULHER FILMADA A FAZER SEXO” CASO I

CRONICA DO DIA 14 DE JULHO DE 2016
“JUSTIÇA TIROU FILHO A MULHER FILMADA A FAZER SEXO”
CASO I
Um menor conta ao seu progenitor que a sua mãe introduz na residência (um T1) que foi do casal um “amigo.”
O Pai pergunta à criança.
-  E tu onde dormes?
A criança responde.
- Ás vezes dormimos os três na mesma cama, mas eu “ouço tudo.”
- Sabes pai! Ele dorme na cama que tu compraste.
O progenitor denuncia os factos à Comissão de Protecção de Menores e Jovens em Risco, a mãe recusa a intervenção e processo é arquivado.
De seguida os factos são denunciados ao Ministério Público, que despacha.
- “As denuncias são graves e preocupantes” e requer a intervenção da Segurança Social.
A Segurança Social elabora um “relatório” onde transcreve.
- O menor tem, na residência paterna, uma vivenda T3, uma suite, tem na residência materna, um T1, um “lugar na sala de jantar, para pernoitar.”
Decorreram sete (7) anos, o “suposto companheiro”, segundo a designação do Tribunal de Família e Menores, continua “a dormir na cama comprada pelo pai da criança que, hoje com 15 anos, mantêm o mesmo “lugar para pernoitar na sala de jantar” e a “ouvir tudo,” enquanto o pai paga 600€ de Pensão de Alimentos.
Sabe-se que o “suposto companheiro” da progenitora é proveniente de bairro de degrado, com ligações à “noite do Porto,” antecedentes de consumo, tráfico de estupefacientes, álcool e actualmente segurança na Spde - Segurança Privada E Vigilância Em Eventos, Lda. 
O “suposto companheiro” ameaçava o menor que lhe matava o pai, “está referenciado” pela Comissão de Protecção de Menores e Jovens em Risco e pelo Ministério Publico, até ao dia em que “aconteça alguma coisa à criança” como afirmou um distinto Procurador Geral da Republica.

Pese embora as múltiplas denuncias, onde se inclui a meritíssima Procurador Geral da República Dra. Joana Marques Vidal, não se vislumbra qualquer actuação da justiça Portuguesa, presumindo-se que tal se deve ao facto de não ter sido publicado no youtube.