quinta-feira, 30 de junho de 2016

4ª CONFISSÃO PUBLICA DE UM DOENTE BIPOLAR

4ª CONFISSÃO PUBLICA DE UM DOENTE BIPOLAR
Apenas posso falar aqui do tipo de doenças do foro "psíquico" ou "psiquiátrico" que domino.
De forma evidente que não se pode comparar um diagnóstico de Esquizofrenia ou de Bipolaridade com um transtorno de Ansiedade ou Depressão.
Por outro lado, é frequente o paciente (naquele momento) poder sofrer de várias patologias, como ansiedade, crises de pânico e depressão, por exemplo.
Sim, talvez, recorre-se à medicação como forma de tratamento demasiadamente frequente e, muitas vezes, sem ter devidamente estudado os doentes.
Contudo, alguém que se encontra numa depressão profunda, por exemplo, não se sente bem de maneira alguma ou se calhar a única maneira é deitado na cama a dormir, longe do mundo.
Neste caso, a medicação será o tratamento mais rápido e se surtir logo efeito; após o paciente ter recuperado, aí poderá enveredar-se pelo caminho da psicoterapia a fim de que o paciente encontre uma forma de dar a volta a esse tipo de estado.
Juntar a medicação com a psicoterapia seria também um caminho óptimo, mas recordo que não há dinheiro para a "psicoterapia".
Por outro lado, parece-me que sim a Esquizofrenia tem que ser medicada porque entramos no mundo da Psicose e com ele Loucura.
A bipolaridade tem os seus graus e formas. Haverá bipolaridades Maníacas que também quase atravessam as portas da Loucura.
Por outro lado, existem bipolaridades que deprimem, com fases de manias raríssimas.
Em ambas estas doenças existe o factor genético e hereditário, lembrando doenças crónicas, após despertarem.
 Elisagabriel 

COMENTÁRIO
Mais uma vez a doente refere que na depressão profunda a única maneira é “deitado na cama a dormir, longe do mundo”, que de facto é o seu comportamento mais comum.
Ora quem passa o tempo “deitado na cama a dormir, longe do mundo” não tem condições para o desempenho parenterais.
Sobre as bipolaridades “maníacas que quase atravessa as portas da loucura” é de realçar que estes doentes têm tendência para o alcoolismo e consumo de psicotrópicos para se sentirem mais desinibidos o que se torna muito perigoso para as crianças que se encontram aos seus cuidados.