domingo, 15 de maio de 2016

INSTITUIÇÕES PUBLICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (IPSS) Querem mais Dinheiro do Estado (Jornal de Noticias 10.05.2016)

INSTITUIÇÕES PUBLICAS DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (IPSS)
Querem mais Dinheiro do Estado (Jornal de Noticias 10.05.2016)
Sou católico, defendo a solidariedade humana e consequentemente o dever de ajudar os mais necessitados.
Odeio os oportunistas, os vigaristas que enchem os bolsos, fomentam a miséria quando obrigam o Estado a sobrecarregar de impostos os que trabalham para sustentar o que eles denominam de solidariedade.
O Estado é constituído por todos os que pagam impostos, excluindo os que “fogem” para os offshores.
Os governantes têm o dever de aplicar os dinheiros públicos na criação de emprego, fomentar o desenvolvimento do País e não o distribuir pelas IPSS que fazem aumentar a pobreza e que como abutres, pairam no ar, sobrevoando as carcaças dos mais necessitados.
Vejamos.
Os cidadãos sobrecarregados de impostos perdem o poder de compra de casa, veículos, vestuário, alimentação, férias, etc…
A perda de poder de compra não desenvolve o País, desencadeia falência e insolvências.
As falências e insolvências fazem aumentar o numero de desempregados e consequentemente o numero de carenciados.
As carências fazem aumentar o numero de pobres, sem abrigo, fome, violência, assaltos, tráfico, suicídios, homicídios e todos os tipos de actividades criminosas. É a Lei da sobrevivência.  
Os cidadãos devem exigir que o Estado aplique os dinheiros públicos, que lhes é confiado, na criação de emprego.
As IPSS devem ser dissolvidas ou os governantes devem ser impedidos de as subsidiar através do Orçamento de Estado.
Os cidadãos devem ser solidários de livre vontade se tiverem meios para o serem e não por imposição.
Este tipo de solidariedade imposta atira para a miséria milhares de cidadãos, enquanto os “solidários” vivem faustosamente e frequentemente somos confrontados com burlas e desvios de dinheiros públicos.