sábado, 16 de abril de 2016

A INÊS - ANDA HÁ 10 ANOS "MATAR" FILHOS NO FACEBOOK - VIDE BLOGUE WWW.WARRIORELIHOAX.COM

A INÊS AS REDES SOCIAIS.
A Inês é uma jovem de 31 anos, residente na Maia, que desde há 10 se apropria de fotos de crianças doentes, que posteriormente publica no Facebook como se fossem seus filhos.
Os delírios da Inês passam pelos Estados Unidos, Inglaterra e Portugal conforme relata o Jornal de Noticias de 15 e 16 de Abril.
Recentemente, fez publicar, no Facebook, a morte de uma criança, tendo colocado uma lápide numa campa do cemitério da Maia, mas a criança está viva.
O meu distinto colega Dr. Álvaro Carvalho, psiquiatra e coordenador nacional de Saúde Mental alerta para a necessidade de ser feita uma avaliação psiquiátrica forense já que entende que estamos na presença de uma psicose, bizarria esquizofrénica já estruturada ao longo dos anos e de tratamento difícil.
No Facebook e no Linkedin, observo falsos perfis, mais que um referente ao mesmo individuo, alterações diárias de fotos que frequentemente já não representam o próprio, comentários desconexos, verborreicos, devassa de vidas privadas e sexual envolvendo terceiros, presumindo-se a existência de psicoses, delírios e bizarrias a requerem avaliação e tratamento compulsivo.
Há doentes a frequentar as redes sociais que são incentivados a exibir os comportamentos descritos através dos likes, comentários e “convites” nada ortodoxos apostos por outros doentes mentais, imbecis, familiares e “amigos,” o que constitui uma situação de risco, até de vida, não só para o doente mental, mas e também para os que o rodeiam em particular quando têm crianças menores aos seus “supostos cuidados.”
Diz o mesmo jornal (JN) que as autoridades policiais têm alertado para o fenómeno, no entanto suspeito que se excluam de encetar investigações quando lhe são reportadas denuncias como as de indivíduos que tem por ocupação solicitar a jovens que desnudem perante as camaras do Skype, reconnections – hipnoterapia reykiana, massagens tântricas, narcotráfico e presumidamente conectados com organizações terroristas que colocam em perigo não só os doentes como os seus concidadãos.
Como me dizia um distinto magistrado do M.P. a propósito de pornografia infantil:
- Caro dr. “Se acontecer alguma coisa ao seu filho depois apresenta queixa.”

POIS!!!!!!!!!!!!!! Depois de acontecer apresento a denuncia!!!!!!!!! Brilhante!!!!!!!!!!!!!!!