terça-feira, 12 de janeiro de 2016

PORTUGAL É O ESTADO MAIS CORRUPTO DA UNIÃO EUROPEIA ENCONTRANDO-SE AO MESMO NIVEL DE CORRUPÇÃO DE ALGUNS PAÍS TERCEIRO MUNDISTA.

PORTUGAL É O ESTADO MAIS CORRUPTO DA UNIÃO EUROPEIA ENCONTRANDO-SE AO MESMO NÍVEL DE CORRUPÇÃO DE ALGUNS PAÍS TERCEIRO MUNDISTA.

Contrariamente ao que a maioria do Povo Português pensa, os deputados Portugueses sentados na Assembleia da Republica não estão lá para defender os interesses da Nação nem dos seus concidadãos.
Os que ganham os actos eleitorais são subsidiados pelos grandes grupos económicos que depois exigem o retorno.
Uma vez eleitos, elaboram leis para defesa desses mesmo grupos como por exemplo o Banco Popular de Negócios, Banco Privado Português, Banco Espírito Santo, Banco do Funchal e outras instituições bancarias semi falidas.
Em consequência da corrupção os quatro Bancos acima identificados entraram em rotura económica, mas os corruptos não são responsabilizados judicialmente nem os seus bens penhorados.
Os dirigentes políticos corruptos, em nome da estabilidade económica e financeira do País, o cidadão comum desconhece do que se trata, subsidiam esta escumalha através da sobrecarga de impostos.
Os portugueses são espoliados dos seus vencimentos e dos valores que confiaram às entidades bancarias para pagar as burlas e os desmandos económicos cometidos pelos corruptos que ficam de “bolsos cheios,” enquanto que, num verdadeiro terrorismo fiscal, centenas de famílias são atiradas para a miséria e para a fome.
Em Portugal existe um imposto, entre dezenas, denominado Imposto Rendimento Singular (IRS) e um outro Imposto Rendimento Colectivo (IRS) que têm a particularidade de lhes ser aplicado um outro imposto denominado Pagamento Especial por Conta (PEC).
O PEC tem de ser liquidado de quatro em quatro meses no ano fiscal em curso e é calculado em função do rendimento que o cidadão teve no ano fiscal anterior.
O objectivo Estatal dos corruptos é obrigar os cidadãos a subsidiar um Estado corrupto.
O cidadão que não proceda em conformidade com esta Lei corrupta é-lhe aplicada uma multa a que designam por coima, para além de correr riscos de penhora dos seus bens e restantes vencimentos.  
A questão que se coloca é que por motivos de morte, doença, desemprego, negócios sem rendimentos, etc. o cidadão ou as empresas podem não vir a ter, no ano em curso, os mesmos rendimentos que tiveram no ano anterior.
Se o cidadão recorrer aos Tribunais Administrativos terá de constituir um advogado e de pagar antecipadamente as custas processuais, o que limita o recurso e frequentemente obriga á desistência da reclamação.
Seguindo o recurso o seu términus e o Estado corrupto condenado a devolver o que indevidamente cobrou, o contribuinte terá de esperar cinco anos ou requerer novamente para reaver o que os corruptos lhe subtraíram e que é seu de direito.
O PEC é um imposto “inventado” por Manuela Ferreira Leite ex. ministra da economia militante do Partido Social Democrático (PSD) que recentemente afirmou publicamente que o PEC é um imposto injusto e que na actualidade não o aplicava.
Portugal é sem dúvida um Estado corrupto que MATA lentamente à fome os seus concidadãos.
O que incomoda é saber-se que o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos não enceta medidas para julgar individualmente estes corruptos que continuam a afirmar plautinamente que os Portugueses são cidadãos de “brandos costumes”
Tenho vergonha, não de ser português, mas de viver num País gerido por políticos corruptos.