quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O ZÉ POVINHO

Em Portugal existe uma figura característica criada por Bordalo Pinheiro que ele denominou pelo Zé
Odeio ser o Zé
O zé não tem voto nas matérias que o afectam.
O zé só tem direito a votar.
O zé é obrigado a votar nos imbecis porque não tem alternativas.
Sou um zé que nunca votou porque não voto em imbecis.
O zé tem ideias, ideais e opiniões.
Quando o zé manifesta as suas ideias, ideais e opiniões a sociedade em que o zé vive manifesta um desinteresse total pela liberdade de ideias, opiniões e ideais do zé.
O zé é um pária social que mais não serve para ser extorquido pelo sistema fiscal.
O zé não gosta da Ministra da Justiça porque a acha primária, acultural, sem sentido de Estado, de solidariedade, justiça e justiça social.
A sua dialética é descabida de sentido lógico e racional.
Fisionomicamente o zé acha-a horrorosa e antipática.
Em 23.06.2012 dizia que os banqueiros e políticos já estão no banco dos réus. Estão?
Ou estão nas comissões de inquérito da Assembleia da Republica em vez de estarem no Ministério Público?
O ambiente de impunidade não está a terminar como diz a senhora ministra
o ambiente de impunidade só termina quando terminar a corrupção existente nos órgãos policiais, no sistema judicial, nas Finanças, no próprio Estado e na AR
Termina quando os magistrados do ministério público forem responsabilizados por não lerem os processos, acusados e responsabilizados por sem provas remeterem inocentes para julgamento.
Termina quando os juízes ficarem inibidos do uso e abuso da livre convicção e das prisões preventivas sem qualquer fundamento.

Quando forem responsabilizados por condenarem inocentes e pagarem dos seus bolsos as respetivas indemnizações. 
Termina quando os juízes que na sala de audiências manifestam consciente e deliberadamente antipatia pelos arguidos que são inteligentes com capacidades intelectuais superiores às deles, que não lhes tem medo ou receios de os enfrentar.

Termina quando forem responsabilizados criminal e civilmente quando ofendem a dignidade, os direitos dos arguidos, quando condenam violando o principio da presunção de inocência, o direito de defesa, o direito da contradita, os direitos humanos, em especial quando estão em causa os direitos juridicamente protegidos das crianças,
Termina quando forem responsabilizados pelos seus actos, demitidos dos cargos e a indemnizar as suas vítimas. 
Não são, nem nunca serão!

Com a proliferação das Universidades privadas que leccionam Direito resulta que hoje em dia qualquer licenciado em direito é juiz pelo que Portugal continuará a ser o País mais corrupto da União.


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

A GRÉCIA NÃO PODE FAZER O QUE QUER - AFIRMAÇÃO DO SENHOR CAVACO.

O senhor Cavaco é o Presidente da Republica Portuguesa, se é que se pode chamar a isto uma república.
Na Republica Portuguesa existem quase 2 milhões de Portugueses no limiar da pobreza.
Na Republica Portuguesa existem centenas de vigaristas, especialmente banqueiros e políticos da área do Poder.
O próprio senhor Cavaco recebeu do senhor Ricardo Salgado, 360 mil euros para a sua candidatura à Presidência da Republica.
A saúde, a justiça, a segurança social, o ensino, pilares da democracia e do bem estar de um povo, são praticamente inexistentes na Republica do senhor Cavaco.
Uma em cada cinco das crianças da Republica do senhor Cavaco passam fome.
Os sem abrigo são aos milhares. 
No entanto o senhor Cavaco bem declarar publicamente que está preocupado com os milhões de euros que saem dos bolsos dos portugueses para apoiar a Grécia.
Ficamos todos a saber que o Governo do senhor Cavaco anda a dar dinheiro que não é dele e obriga os portugueses ao desemprego, à miséria, à fome e à emigração.
O senhor Cavaco e o seu governo obedecem cegamente à senhora Ângela Merkel, que no meu modesto entender mais não é que uma neonazi.
O senhor Hitler não ganhou a guerra pela força das armas.
A senhora Ângela Merkel ganhou a Europa pela força do Marco escravizando os Europeus à sua moeda única que pomposamente lhe chamam de Euro.
Sendo a Grécia um País Democrático e Independente pode fazer o que bem entender independentemente de dever ou não euros aos seus credores.
Se a Grécia obedecer aos alemães só porque lhes deve dinheiro, não é um País independente.
Transportando este raciocínio para o caso Português o senhor Cavaco com as suas afirmações vem dizer que nós os portugueses não podemos fazer o que queremos porque devemos dinheiro aos alemães.
Portanto quem manda em Portugal é a senhora Ângela Merkel e não o senhor Passos Coelho nem ele senhor Cavaco..
Então para que precisam os Portugueses de um Governo e de um Presidente?
O senhor Cavaco e o senhor Coelho deviam, tem a obrigação de se demitirem porque são um governo e um presidente "fantoche."
Parece surrealismo mas não é.
É uma vergonha.