sábado, 14 de novembro de 2015

A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO - PARTE II - O ATAQUE TERRORISTA EM PARIS.

A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO – PARTE II

Em 29 de Agosto de 2015, publiquei o “artigo” em epigrafe que segundo creio poucos o leram.
Publico agora, mas em nova versão.
Há 10 anos a esta parte, os corruptos que tem "gerido" o País e a UE, em nome da Troika e dos mercados entraram-nos pela casa e pelas nossas contas bancarias sobrecarregando-nos de impostos, para pagar as dividas que eles contraíram e que os fizeram enriquecer....
Desta forma desumana destruíram completamente a nossa estrutura familiar, atiraram-nos para a miséria social. 
Muitos de nós, em especial os mais novos, foram e são obrigados a emigrar.
Outros, mais do que se pensa, não há estatísticas, decidem-se pelo suicídio. 
Os que vão ficando ou são obrigados a ficar vão sobrevivendo.
De seguida, os mesmos que nos roubam descaradamente os rendimentos do nosso trabalho de muitos anos destruindo as nossas vidas, num laivo de cinismo "humanístico" de "bondade" e "heroísmo" dão-nos as sopas dos pobres, os bancos alimentares contra a fome, os institutos de luta contra a pobreza, os rendimentos mínimos garantidos, os miseráveis subsídios de desemprego.
Entretanto a fome e a miséria continua a alastrar.
Os refugiados que atravessam e morrem no Mediterrâneo fogem da guerra militar, da miséria social e da fome em que os ocidentais os lançaram.
A diferença é que eles podem fugir, tem o estatuto de refugiados e nós nem a isso temos direito.
Por princípios económicos e ganancia do dinheiro atiram-se milhões de seres humanos para a morte.
Investidos de humanistas e solidários vão acudir aos coitadinhos dos denominados refugiados. 
Esta "merda" faz algum sentido?
Estes imbecis ainda não entenderam que enquanto houver um milhão de indivíduos com fome para um único muito rico a revolta vai alastrar.
O Estado Islâmico, e as outras organizações ditas terroristas vão a avançar até à queda da nossa civilização. 
Há dúvidas?
Texto Publicado em 08.11.2015
Desde tempos imemoriais que os Povos árabes não conhecem nenhuma forma de viverem em Paz e que ao longo dos séculos e da sua história as tribos sempre se guerrearam.
Em 08 de Novembro de 2015, a imprensa Portuguesa publicou que em Portugal há 35 famílias que diariamente vão à falência com todas as suas consequências onde se inclui a fome nas crianças e a miséria social dos sem abrigo.
Na página seguinte do mesmo diário pode-se ler:
Cito: “Vida nova para 22 refugiados que chegaram hoje a Portugal e foram instaladas em Penela”.
Uma senhora que se diz Ministra da Cultura, Igualdade, e Cidadania, disse e Cito:
- "A nossa expectativa é que as pessoas encontrem em Portugal um porto seguro. Encontrem em Portugal condições de estabilidade e de Paz para uma integração plena na sociedade portuguesa”. Fim de citação.
Somos obrigados a deduzir que na perspetiva da senhora Ministra os Portugueses que nasceram em Portugal não têm direito a um Porto Seguro, viver em condições de estabilidade, e a plena integração social.
Sou populista? Provavelmente.
Sou nacionalista? Provavelmente.
Mas sou pai.
É mau Pai o que dá miséria ao seu agregado familiar e alimenta desconhecidos que certamente lhes irão causar graves problemas num futuro muito próximo.
O Futuro chegou!
13. 11.2015 – França.
14. 11.2015 – Dizem os Fariseus:
Cito: “Este não foi um ataque só contra a França, mas contra a humanidade e contra os valores que partilhamos. Trata-se de uma tentativa de aterrorizar civis. Estamos juntos na luta contra o terrorismo” (Barack Obama).
Cito: “Estou chocado com os acontecimentos de hoje em Paris. Os nossos pensamentos e orações estão com o Povo Francês. Faremos o que for preciso para ajudar” (David Cameron)
Cito “Portugal repudia firme e veemente toda a forma de terrorismo, que tem como único propósito colocar em causa a segurança e a estabilidade das nossas sociedades e dos nossos povos” (Pedro Passos Coelho) Esta é demais estupida para que me mereça qualquer comentário. Como é que este individuo pode falar em segurança e estabilidade da sociedade e do povo português?
Cito: “A evidências de atentados terroristas em Paris deixam-me profundamente chocada” (Ângela Merkel). Chocada? Esta mulher “bate mal” da cabeça! A palavra mais acertada deveria ser PREOCUPADA.
Cito: “Estou profundamente chocado com os acontecimentos de Paris. A nossa solidariedade com o povo Francês é total” (Jean-Claude Juncker). Outro chocado e não PREOCUPADO.
Cito: “Só podemos condenar estes desprezíveis ataques terroristas que põem em causa a liberdade (Ban Ki-Moon)
Há outras citações que me recuso a transcrever, como uma de uma tal Dilma presidente de um País muito rico onde 80% da população vive a baixo do limiar da pobreza.
Cito: “Sírios não são um fardo e podem beneficiar Portugal” (Jorge Sampaio, ex. presidente da Republica Portuguesa). Se não são um fardo e podem beneficiar Portugal estamos a falar de exploração humana.
Não sendo um fardo e não sendo humanamente explorados quem garante a sobrevivência dos sírios? Só vejo através dos impostos dos Portugueses.
Por outro lado, os sírios podem beneficiar Portugal e os Portugueses são obrigados a emigrar para sair da miséria com que Portugal se depara.
“Eles” vieram, abrimos as fronteiras, alimentamos, vestimos, demos habitação, saúde, ensino tudo em nome da solidariedade, mas não somos solidários com os nossos concidadãos.
Agora, “eles” aí estão! Bem nutridos, bem vestidos e muito bem ARMADOS”
Estes políticos de caca ainda não entenderam que o Civilização Ocidental entrou numa guerra de guerrilha permitida pelos dirigentes políticos da França, da Alemanha, de Portugal e da própria UE.
A EU enfrenta uma guerra de guerrilha.
Ninguém ganha uma guerra de guerrilha.
Perderam os americanos no Vietname e os Portugueses em Africa.
Não devemos esquecer a Queda do Império Romano ao que se seguiu o obscurantismo da Idade Média. 
A cultura Ocidental está em crise e dentro em breve cairá.