sexta-feira, 28 de agosto de 2015

A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO versus A UNIÃO EUROPEIA


A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO/ A UNIÃO EUROPEIA

 
Para quem desconhece a História Clássica e as grandes civilizações Ocidentais recordemos a civilização Romana de à cerca de mil e poucos anos que em termos de existência do Planeta Terra não é rigorosamente nada.
Em 120 DC, o Império Romano extendia-se desde o Norte de África, toda a Europa até às ilhas Britânicas, (Império Romano do Ocidente), e para Oriente até à Turquia (Império Romano do Oriente).
No seu auge, Roma possuía o mais bem apetrechado, organizado, maior e regular exercito da sua época, que lhe permitiu grandes conquistas, desenvolvimento económico, cultural e social.
A crise económica, as mudanças constantes de Poder, as lutas internas, a vida faustosa com os prazeres que lhe são inerentes como as grandes festas, os famosos bacanais e o circo que assolavam Roma, fez com que os exércitos regulares deixassem de ter nas suas fileiras os militares necessários para que o império se mantivesse coeso.
Para colmatar a diminuição das forças militares, os romanos admitiram nas fileiras povos que designavam por bárbaros cuja diferença residia na língua, na cultura e que antes tinham sido seus inimigos.
Deste modo, infiltrados e depois de terem aprendido o modo de viver dos romanos e as suas tácticas militares, os bárbaros conquistam Roma e acabam por destruir o Imperio do Ocidente.
O Ocidente entra na Idade Média.
Antes da moeda única, o império ora denominado por EU, era constituído por Países soberanos que regulavam as suas economias e tinham poderes para exercer as suas soberanias.
As economias desses povos tem sido destruídas e absorvidas pelos Berlimanos, Bancanos Centrais e Fundanos Monetarianos que lentamente vão destruindo as identificações culturais e sociais, ao mesmo tempo que lançam milhões para a fome e miséria.
As economias degradam-se diariamente e de uma forma assustadora.
Os fluxos migra e imigratórios são avassaladores
Os povos deixam-no de o ser porque perdem as suas raízes ancestrais, as relações intrafamiliares, a honra e a dignidade o que se entende por muito grave.
Enquanto isso, os “Patrícios” ditos europeus divertem-se com as bolsas, os mercados financeiros fomentando a especulação económica e a corrupção.
A pedofilia, pornografia, os sites de encontros sexuais, as trocas de casais, de infidelidade, o circo do futebol que gira à volta de milhões, as telenovelas, os crimes passionais, o opinantes de meia tijela que entram pela casa dentro através dos meios de comunicação social, vão contentando o Povo.
O império designado por EU está a ser invadido não por bárbaros mas pelos agora denominados, depreciativamente, de refugiados provenientes do dito Mundo Global.
Milhões sobrevivem em condições sub humanas,  milhares morrem em condições macabras, como ainda hoje foi publicado na comunicação social que dezenas foram encontrados mortos num camião frigorifico.
Muitos deles, “infiltrados”, desconhece-se quem são e ao que vem.
Certamente que irão estudar e assimilar as sociedades em que se pretendem inserir mas que nunca o vão conseguir.
Não conseguindo farão ruir o império e retornaremos à nova idade média mais violenta, senão à idade da pedra.
Correndo o risco de ser rotulado de xenófobo pergunto-me com que direito os políticos utilizam os dinheiros públicos para acolher os ditos refugiados quando nos seus próprios Países tem milhões de desempregados, sem abrigo, bancos alimentares contra a fome, sopas dos pobres, milhares de crianças a passar fome e quando os ocidentais são expulsos e mortos nos seus países de origem,
As Comissões para os Refugiados mais não é que uma farsa que visa sustentar toda uma “cambada” de parasitas e oportunistas que como abutres vivem das carcaças humanas.
Desencadearam as guerras, venderam as armas, fugiram como covardes e agora vem dar uma de humanidade aos povos que eles próprios lançaram no caos, na morte e na miséria social por questões politicas e económicas.
Sou deliberadamente contra os xenofobismos mas devemos perguntar se os cidadãos da dita EU estão disponíveis para acolher os refugiados.
Quem gostará de ver a sua casa invadida por povos desconhecidos e provenientes de País conectados com terrorismo?
Intervenham nos Países, não fomentem a guerra, não vendam armas, à semelhança dos Ocidentais, implemente tudo quanto um cidadão Sírio, etíope, ou qualquer outro tem direito como, saúde, casa, alimentação, desenvolvimento cultural e social.
Só assim se porá cobro ao fluxo de refugiados.
Caso contrario dentro de poucos anos a civilização Ocidental acabará por ruir como o Império Romano.
Será difícil de entender?