terça-feira, 17 de março de 2015

QUÍMICA - MEDICINAS ALTERNATIVAS - MEDITAÇÕES TRANSCENDENTAIS - TAROT - REIKI E OUTRAS MICORDIAS

Na natureza nada acontece sem reacções químicas.
As plantas crescem desenvolvem-se em função de trocas químicas.
Os animais, independentemente de serem mamíferos, aves, repteis, peixes, insectos, vírus ou bactérias, desenvolve-se, nascem, crescem, movimentam-se, envelhecem e morrem em função de uma infinidade de reacções químicas.
Ver, ouvir, sentir, cheirar, desgostar, interpretar, agir, mais não são que funções químicas de milhares de milhões de pequenas células vivas compostas de elementos químicos específicos para cada função que interagem entre si.
Atente-se que é suficiente uma pequena alteração química no interior de uma única célula para que todo o organismo se deteriore e seja conduzido à falência, aqui entendida como morte. 
Estas reacções chegam aos centros de tratamento e selecção que chamamos de cérebro, ou centro nevrálgico, por impulsos.
Aí chegadas, todas as reacções são centralizadas, tratadas, seleccionadas e armazenadas em função da sua própria funcionalidade.
A questão é como uma simples reacção química é seleccionada e armazenada em função da sua especificidade. 
Qual é a reacção química que nos conduz à dor, ao prazer, à pena, à alegria, ao riso, à tristeza, ao choro, à euforia, à depressão, à loucura, à imbecilidade, à revolta, à passividade, ao amor, ao ódio. à observação, ao pensamento, à análise, à inteligência, à ciência?
Porque será que perante os mesmos factos ou idênticos reagimos de forma totalmente diferente e antagónica?
Porque será que sendo a funcionalidade química igual em todos os seres vivos, somos todos diferentes?
Porque será que sendo quimicamente iguais temos fisionomia totalmente diferente que mais não é que a nossa própria identificação?
E porque será que uns tem doenças e outros não?
E porque será que as doenças atingem orgãos específicos diferentes de individuo para individuo e uns morrem do coração ou com uma neoplasia (cancro) em determinados locais e outros não?
E porque será que até as próprias células neoplásicas tem características químicas diferentes?
Porque será que uns morrem mais precocemente que outros?.
Porque será que uns são pacíficos e outros não?
Porque será que os QI são diferentes?
E porque será que dizemos que uns são imbecis e outros sobre dotados?
Sabemos quais são  os centros de tratamento, mas desconhecemos, nem nunca vamos conhecer, quais os elementos químicos que condicionam aqueles estados.
Ninguém tem o privilégio de ter acesso um cérebro vivo que permita investigar como, em cada célula se processam os registos químicos que nos permitem memorizar, pensar, analisar e registar o conhecimento que adquirimos ao longo das nossas vidas.
Num cérebro morto supõem-se que esteja tudo "apagado,"
Como médico sei que as minhas questões nunca terão resposta mas...
O meu conhecimento não vai além daquela massa cinzente composta por um emaranhado de células especificas repletas de elementos químicos.
A química transforma-se em energia toda ela positiva.
As energias negativas são enexistentes. A existir contrariavam o conceito de energia.
O negativismo está em cada um de nós ou nos elementos químicos que accionamos para os interpretar de forma negativa.
No entanto não deixam de ser reacções químicas e portanto energia positiva.
A questão é que não aceitamos a morte e procuramos refúgios em vidas que no meu modesto entender não existem.
Em todo o caso não me abstenho de reconhecer que "Alguém" nos "construiu" conforme somos.
Chamemos-lhe Deus a quem rezo diariamente pedindo-lhe perdão pelos meus pecados.