quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O ZÉ POVINHO

Em Portugal existe uma figura característica criada por Bordalo Pinheiro que ele denominou pelo Zé
Odeio ser o Zé
O zé não tem voto nas matérias que o afectam.
O zé só tem direito a votar.
O zé é obrigado a votar nos imbecis porque não tem alternativas.
Sou um zé que nunca votou porque não voto em imbecis.
O zé tem ideias, ideais e opiniões.
Quando o zé manifesta as suas ideias, ideais e opiniões a sociedade em que o zé vive manifesta um desinteresse total pela liberdade de ideias, opiniões e ideais do zé.
O zé é um pária social que mais não serve para ser extorquido pelo sistema fiscal.
O zé não gosta da Ministra da Justiça porque a acha primária, acultural, sem sentido de Estado, de solidariedade, justiça e justiça social.
A sua dialética é descabida de sentido lógico e racional.
Fisionomicamente o zé acha-a horrorosa e antipática.
Em 23.06.2012 dizia que os banqueiros e políticos já estão no banco dos réus. Estão?
Ou estão nas comissões de inquérito da Assembleia da Republica em vez de estarem no Ministério Público?
O ambiente de impunidade não está a terminar como diz a senhora ministra
o ambiente de impunidade só termina quando terminar a corrupção existente nos órgãos policiais, no sistema judicial, nas Finanças, no próprio Estado e na AR
Termina quando os magistrados do ministério público forem responsabilizados por não lerem os processos, acusados e responsabilizados por sem provas remeterem inocentes para julgamento.
Termina quando os juízes ficarem inibidos do uso e abuso da livre convicção e das prisões preventivas sem qualquer fundamento.

Quando forem responsabilizados por condenarem inocentes e pagarem dos seus bolsos as respetivas indemnizações. 
Termina quando os juízes que na sala de audiências manifestam consciente e deliberadamente antipatia pelos arguidos que são inteligentes com capacidades intelectuais superiores às deles, que não lhes tem medo ou receios de os enfrentar.

Termina quando forem responsabilizados criminal e civilmente quando ofendem a dignidade, os direitos dos arguidos, quando condenam violando o principio da presunção de inocência, o direito de defesa, o direito da contradita, os direitos humanos, em especial quando estão em causa os direitos juridicamente protegidos das crianças,
Termina quando forem responsabilizados pelos seus actos, demitidos dos cargos e a indemnizar as suas vítimas. 
Não são, nem nunca serão!

Com a proliferação das Universidades privadas que leccionam Direito resulta que hoje em dia qualquer licenciado em direito é juiz pelo que Portugal continuará a ser o País mais corrupto da União.