terça-feira, 6 de janeiro de 2015

CARTA DO EX.PRESIDENTE DA REPUBLICA (DR. MÁRIO SOARES) AO SEU AMIGO EX.PRIMEIRO MINISTRO (ENGº JOSÉ SOCRATES)

EM 04.01.2015 o ex.presidente da Republica Portuguesa publicou uma carta que ele próprio escreveu ao seu amigo e ex.Primeiro Ministro Português, Eng.º José Sócrates, que se encontra em prisão preventiva na cadeia de Évora.
Na sua carta o ex.Presidente da Republica Portuguesa afirma que em Portugal não há Justiça, o que confirma o que venho denunciando através deste Blog.
Os Portugueses enaltecem a afirmação do ex.Presidente da Republica mas, muitos como eu, colocam algumas questões:
Em primeiro lugar, pergunta-se: 
- Onde são feitas e aprovadas as leis?
Resposta:
-Na Assembleia da Republica Portuguesa.
Em segunda lugar pergunta:
- Quem homologa as Leis?
Resposta:
-O Presidente da Republica e o Primeiro Ministro em exercício.
Assim, a responsabilidade de haver ou não haver justiça em Portugal cabe exclusivamente a quem homologa as Leis, ou seja: - Ao Presidente da República e ao Primeiro Ministro.
No caso em apreço, a prisão preventiva do Eng.º José Sócrates é da sua própria responsabilidade e do Presidente, ou Presidentes da República em exercício, enquanto ele foi Primeiro Ministro, que aprovaram as Leis. 
A gravidade da afirmação é que deixa provado que os políticos portugueses, enquanto no Poder, "fabricam" Leis que protegem os seus interesses e os dos seus "amigos," tendo por objectivo lesar os seus concidadãos.
Como 90% são imbecis, esquecem que um dia deixam de ser poder e que passados à condição de cidadãos comuns, as Leis que aprovaram também lhes podem ser aplicadas.
Entende-se que o Eng.º José Sócrates está detido preventivamente porque o meritíssimo juiz do processo mais não fez que aplicar a Lei que ele, José Sócrates, aprovou enquanto foi Primeiro Ministro. 
Portanto, a culpa não é da Justiça nem do Juiz mas do eng.º José Sócrates.
Tendo-se como certo o DIREITO DE IGUALDADE, constante na Constituição da Republica Portuguesa, entende-se que ao eng.º José Sócrates não devia ser aplicada a prisão preventiva enquanto se encontram em liberdade supostos criminosos, relacionados com o Poder político, acusados de fraude fiscal, burla qualificada, abuso de confiança, lavagem de capitais, participação em negócio ilícito, em valores de milhões de milhões de euros superiores aos 20 milhões do que é acusado o eng.º  José Sócrates. 
Em Portugal, a comunicação social quase diariamente denuncia  crimes de burla, fraude fiscal, abuso de confiança, lavagem de capitais, participação ilícita em negócio perpetrada por políticos corruptos dos partidos que tem sido Poder.(PSD e PS)
Mais recentemente temos o caso do actual Presidente da Republica que recebeu do BES 360.000.00€ para a sua campanha de candidatura, 160 milhões de euros que Portugal gastou SÓ EM ESTUDOS para a construção do TGV, quando já era do conhecimento técnico que a sua construção era inviável, os vistos gold, os submarinos, a PT e mais virá.
No entanto nenhum dos acusados se encontra em prisão preventiva o que não deixa de ser suspeito.
Aos portugueses não preocupa os corruptos.
Aos portugueses preocupa a sobrecarga de impostos para pagar os desvairos dos politico corruptos que passados os processos judiciais continuam a viver faustosamente.
A medida mais justa seria a confiscação dos seus bens até à quinta geração enquanto não fossem condenados e ou ilibados.
Cabe perguntar porque razão a Autoridades Tributária não lhes penhora os bens?