sexta-feira, 4 de abril de 2014

PROCURADOR DA REPUBLICA PORTUGUESA ADIA BUSCAS EM PROCESSO CRIME DE BURLA POR CAUSA DAS ELEIÇÕES

PROCURADOR DA REPUBLICA PORTUGUESA ADIA BUSCAS EM PROCESSO CRIME DE BURLA POR CAUSA DAS ELEIÇÕES

O processo F.O, é um processo crime relacionado com sucatas e no qual o Estado Português, ou seja os contribuintes portugueses foram burlados em milhões de euros.
Tanto quanto é do conhecimento dos Portugueses, este processo envolve vários administradores actuais de empresas públicas, políticos de renome e bem posicionados, do anterior e do actual governo.
Um jornal diário português publica hoje que um senhor Procurador da Republica confessou que as buscas foram adiadas por causa das eleições.
ACREDITAM!?
O senhor Procurador revelou que "foi uma decisão com ponderação política" 
As investigações criminais obedecem a ponderações políticas?
Os crimes praticados por políticos ou conectados com a política tem tratamento jurídico diferente?
E os que não políticos?
Então Portugal não tem uma Constituição da Republica garante dos mesmos direitos para todos os cidadãos independentemente da sua razão política, religião, cultura, classe social, afirmação sexual, etc.?
Diz ainda o senhor Procurador "não ignorávamos a perturbação que seria cair no meio da campanha eleitoral"  
Perturbação? Qual o problema? Certamente que o senhor Procurador pensou que as buscas iriam influenciar os resultados eleitorais, o que é muito grave.
Pois se sabia que iria influenciar os resultados eleitorais negativamente colaborou por omissão NUMA FRAUDE ELEITORAL.
Permitiu que indivíduos indiciados pela pratica de crimes ganhassem as eleições e fossem eleitos o que não aconteceria se os eleitores tivessem conhecimento que se encontravam sob investigação criminal.
Pior é que o comportamento do senhor Procurador facilitou que os indivíduos que ganharam as eleições, nesse ano, tivessem sido posteriormente e em curto espaço de tempo demitidos, o que deu origem a este actual governo que é sem qualquer dúvida pior que o anterior.
Mais diz o senhor Procurador que o facto de ter adiado as buscas "foi uma decisão que teve alguma influência sobre os factos".
O mesmo será dizer que a política tem influência nos Tribunais, que não há uma separação de Poderes, e que os magistrados e os juízes NÃO SÃO ISENTOS, o que aliás venho afirmando desde há muito tempo.
A ausência de isenção e a livre convicção permite que os senhores magistrados e juízes condenem inocentes e fiquem impunes.
No meu modesto entender, o senhor Procurador devia ser afastado do processo, ser objecto de um inquérito, demitido e responsabilizado por violação de Direitos fundamentais consagrados na Constituição da Republica.
Entretanto, o sucateiro, apolítico, é o equivalente do padeiro que roubou 075€.
Os outros, os políticos emigram para França, frequentam cursos, são comentadores políticos e o equivalente dos burlões.
Portugal é suis generis, "gerido" por políticos burlões e onde a Justiça é "cega" para uns mas de olhos bem abertos para outros.
Cega para os burlões.
Olhos bem abertos para os padeiros.
Recomendo que se desvende os olhos da estátua que representa a justiça, porque talvez se criasse o conceito de que, como Deus, a justiça tudo vê e está em toda a parte.
Quem acredita num País que tem uns políticos, um sistema e uns agentes judiciais como estes?
Por vezes sinto uma vontade louca de emigrar, por outra lado dá-me "algum gozo" ir vivendo por aqui...