quinta-feira, 27 de março de 2014

INFANTICIDO

INFANTICÍDIO
Não é intenção chocar.
Mais não se pretende que interrogar.
Onde estavam as APAVS, AS UMAR, as não sei quantas das mulheres juristas, as Comissões de Protecção de Crianças e Jovens em risco, CPCJ, a Segurança Social, o Ministério Público, MP, os Tribunais de Família e Menores e outros que por aí andam disfarçados de feministas, defensores das igualdades de género e de juízes do Povo?
Pois! 
O problema é que estás crianças NÃO foram enforcadas (assassinadas) pelo seu Pai. Logo não é um casos de violência doméstica com direito a outdoor.