domingo, 9 de março de 2014

A VERDADE DE LA PALICE

Hoje fui confrontado com a seguinte frase:
Muito Obrigado pela sua opinião.
“O senhor tem o direito de ter a sua e eu tenho o direito de ter a minha.”

Tal frase recorda-me aquelas afirmações estúpidas dos treinadores de futebol:
“Jogamos para ganhar”
“Vamos levantar a cabeça”
“O campeonato ainda não chegou ao fim”
“Há muitos jogos para ganhar” “Continuamos a trabalhar” e outras tantas que não me recordo.

Pensei: Estou a ser confrontado com uma verdade. A verdade de La Palice.
Desta feita fui consultar quem foi La Palice e qual a razão da frase.

A verdade de la Palice é uma expressão de origem francesa.
Criada a partir da canção "La Mort de la Palice", que homenageia a coragem, de Jacques II de Chabannes, senhor de la Palice, Marechal de Francisco I (1470/1525, durante a Batalha de Pavia e na qual perdeu a vida.  
Para perpetuar a sua memória, os soldados escreveram a canção que contém um verso onde enuncia algo que já era evidente no verso anterior.

La Palice est mort.
Est mort devant Pavie.
S`il n`était pas mort,
Il ferait encore envie

Traduzido para Português:
La Palice morreu.
Morreu em frente a Pavia.
Se ele não fosse morto. (verdade de La Palice)
Ainda faria inveja.

Trata-se, portanto, de um truísmo.
O que é um truísmo?
Truísmo é aquilo que é mais que óbvio.
É uma verdade que salta aos “olhos”

No francês antigo, assim como no português, o S possuía duas grafias, uma das quais era ſ.
Esta última era muito semelhante à de um f, razão pela qual a última frase da estrofe, Il ſerait encore en vie, acabou sendo lida, erradamente, como Il serait encore en vie. "Ele ainda estaria vivo".
A grafia lapalissada vem do nome moderno da cidade francesa de Lapalisse, onde se situa o histórico castelo de Jacques de la Palice.

Exemplos da verdade de La Palice:
“A Lei revoga a anterior no que lhe for incompatível” - Diário da Republica Portuguesa.
"Um quarto de hora antes de morrer, ele estava vivo" - Canção satírica Francesa.
"Aquilo que escrevi, escrevi-o"Pôncio Pilatos.
"Homem do sexo masculino apareceu morto"Título do Jornal Público em 1993.
"Estar vivo é o contrário de estar morto" - Lili Caneças.
"A maior parte das nossas importações, provém de países estrangeiros" - George W. Bush.
"Comemora-se em todo o país uma promulgação do despacho número cem [...], a que foi dado esse número, não por acaso, mas porque ele vem na sequência de outros noventa e nove anteriores promulgados."- Américo Tomás (último Presidente da Republica Portuguesa antes do 25 de Abril)
"O ano de 2015 é o ano imediatamente consecutivo a 2014" - Vítor Gaspar, Ministro das Finanças português, num debate parlamentar em abril de 2012.
“Morreu na sexta-feira. Morto na flor da idade. Se tivesse morrido no sábado, teria vivido até mais tarde"
E agora esta: “O senhor tem o direito de ter a sua opinião e eu tenho o direito de ter a minha.”
Por razões de ética e de respeito omito o seu autor, mas que tem um lugar de destaque na sociedade portuguesa é verdade que o tem.
Boa semana de trabalho para todos e que a verdade de La Palice não vos perturbe o pensamento.