quarta-feira, 26 de junho de 2013

ABUSOS SEXUAIS SOBRE MENORES

Diariamente somos confrontados com abusos sexuais sobre menores em que os abusadores e as suas vitimas incidem frequentemente sobre o sexo masculino, ou seja homossexualidade masculina.
A Sociedade que legisla e condena as relações homossexuais masculinas e que depreciativamente descreve como anormais as carícias, masturbação, sodomização, entenda-se por coito anal, é a mesma que há dias aprovou a Lei de adoção de crianças por homossexuais.
A contradição é expressa nos artigos da comunicação social Portuguesa, nas acusações dos arguidos pelo Ministério Público, nas investigações da Policia Judiciaria, que louvo e admiro, e nas pericias psicológicas que diagnosticam e transcrevem que os homossexuais pedófilos tem "perturbações da personalidade, desvios do comportamento sexual, baixo control emocional, ausência de remorsos ou sentimentos de culpa, superficialidade afetiva, estilos manipulativos, elevados índices de impulsividade e distorções cognitivas"
Cabe-nos perguntar: - Em que ficamos? 

A HOMOSSEXUALIDADE É OU NÃO É CRIME?

SERÁ QUE A HOMOSSEXUALIDADE SÓ É CRIME QUANDO PRATICADA ENTRE ADULTOS E MENORES?

NÃO SERÁ QUE AS CRIANÇAS MASCULINAS ABUSADAS SEXUALMENTE NÃO SE TORNARÃO HOMOSSEXUAIS QUANDO ATINGIREM A IDADE ADULTA PORQUE AS AGRESSÕES DE QUE FORAM VITIMAS LHES DESENCADEOU "perturbações da personalidade, desvios do comportamento sexual, baixo control emocional, ausência de remorsos ou sentimentos de culpa, superficialidade afetiva, estilos manipulativos, elevados índices de impulsividade e distorções cognitivas ? " 

Entretanto e segundo dados publicados em Portugal pelo Jornal de Noticias nos últimos 5 dias:

Só este ano 62 indivíduos foram detidos por crimes sexuais.

Agricultor de 60 anos foi condenado a seis anos de cadeia por violar menina desde os 10 anos, sobrinha  e com o consentimento da sua companheira.

Professor de educação visual e tecnológica condenado por abusos sexuais de meninas com 10, 12 e 16 anos.

Pedófilo volta para cadeia após abusar sexualmente de menino de 11 anos de idade.

Indivíduo de 33 anos suspeito de abusos sexuais sobre um menino de 09 anos.

Indivíduo de 43 anos detido por violar sobrinha de 16 anos que é deficiente mental.

Homem de 28 anos detido por práticas de crimes de coação sexual e roubo de menina de 17 anos.

ESTE POLÍTICOS SÃO UMA VERGONHA!

segunda-feira, 24 de junho de 2013

PEDOFILIA SILENCIADA

Não se pense que o silêncio sobre os casos de pedofilia, abusos ou ofensas sexuais sobre crianças é exclusivo das igrejas sejam ou não católicas.
Reconhece-se que quando há envolvimento das igrejas a comunicação social sem qualquer respeito, direito de privacidade das vitimas e dos hipotéticos criminosos empola de tal forma os acontecimentos, por vezes sem fundamento, que condena os intervenientes na Praça Pública.
Por outro lado, quando indivíduos isolados denunciam tais crimes que frequentemente envolvem os seus filhos ou familiares próximos, as instituições como as Comissões de Proteção de Menores, a Segurança Social, as Associações de Apoio às Vitimas, os Tribunais de Família e Menores, o Ministério Publico e a comunicação social encerram-se num mutismo atroz e vergonhoso.
Pior ainda é que os Tribunais de Família e o Ministério Publico não processam qualquer investigação nem delegam na Policia Judiciaria que é considerada uma das melhores instituições policiais do mundo, com os melhores recursos humanos, meios tecnológicos  para detetar os crimes de pedofilia, abuso e ofensas sexuais a menores.
Desde 2008, que um progenitor tem vindo a denunciar às entidades acima referenciadas que o seu filho é violentado psíquica, física e ofendido sexualmente por um energúmeno da pior espécie que inclusive está impedido juridicamente do convívio com a sua própria filha.
Desde 2008 que a progenitora do menor introduziu no seu próprio apartamento, um T1, o dito energúmeno, e que obriga a criança, ora com 12 anos, a conviver numa promiscuidade que não é saudável para o seu desenvolvimento  psíquico/afetivo, educacional e cultural.
O relatório da Segurança Social diz em despacho que "o menor tem um espaço na sala de jantar para pernoitar".
O Ministério Publico e o Tribunal de Família e Menores dizem que o progenitor se encontra movido pelo "ciume" e não encetam qualquer investigação ao REFERENCIADO ENERGÚMENO até um dia...
Depois à semelhança do que acontece frequentemente alegam "que não sabiam de nada" ou que "não nos chegou qualquer denuncia".
Esta é a justiça Portuguesa que se diz defender os direitos juridicamente protegidos das crianças.
"SÓ DIZ, MAS NÃO PROTEGE"  
  

quarta-feira, 19 de junho de 2013

DEPUTADOS E DEMOCRACIA À MODA PORTUGUESA - OS "JOTINHAS"

OS "JOTINHAS" SÃO MENINOS QUE SÃO FILIADOS E INSCRITOS NOS PARTIDOS POLÍTICOS DESDE PEQUENINOS.
NA MINHA MODESTA OPINIÃO SÃO OS EQUIVALENTES DA JUVENTUDE COMUNISTA E OU DA JUVENTUDE HITLERIANA. 
O SENHOR HUGO SOARES É UM "JOTINHA" E AO MESMO TEMPO DEPUTADO NA ASSEMBLEIA DA REPUBLICA PORTUGUESA.
TENHO SÉRIAS DÚVIDAS QUE PORTUGAL AINDA SEJA UMA REPÚBLICA CREDÍVEL.

MAS FALEMOS DO SENHOR HUGO SOARES JOTINHA E DO SENHOR HUGO SOARES DEPUTADO.

ALGUÉM CONHECE OU JÁ OUVIU FALAR NO SENHOR HUGO SOARES?
PENSO QUE NINGUÉM OUVIU FALAR NEM CONHECIA O SENHOR HUGO SOARES. 
HOJE O SENHOR HUGO SOARES DEU-SE A CONHECER AO POVO PORTUGUÊS QUANDO DECIDIU ABRIR A CLOACA E EXPELIU UMA QUANTIDADE DE FLATUS COM ODOR FÉTIDO, QUE DECORRIDAS 4 HORAS AINDA ME INCOMODAM E ME CAUSA NÁUSEAS E VÔMITOS.
TANTO QUANTO ME FOI DADO CONHECER, O SENHOR HUGO SOARES É UM DISTINTO DEPUTADO DA ASSEMBLEIA DA REPUBLICA PORTUGUESA QUE ENQUANTO DEPUTADO ME MERECE O DEVIDO RESPEITO. 
NÃO NO EXERCÍCIO DAS SUAS FUNÇÕES DE DEPUTADO, MAS ANTES NA SUA QUALIDADE DE CIDADÃO E EM ENTREVISTA Á COMUNICAÇÃO SOCIAL, O SENHOR HUGO SOARES DISSE QUE NA SUA QUALIDADE DE DEPUTADO SUBMETEU UM REQUERIMENTO AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ONDE REQUEREU QUE SEJA DIVULGADO PUBLICAMENTE QUANTO É QUE O ESTADO CONTRIBUI PARA OS SINDICATOS.
AINDA QUE TENHA SÉRIAS RESERVAS QUE O ESTADO DESPERDICE DINHEIRO DOS CONTRIBUINTES, OU DO ERÁRIO PÚBLICO, PARA VIABILIZAR OS SINDICATOS E RECONHECENDO A MINHA IGNORÂNCIA QUERO AGRADECER A INFORMAÇÃO. 
SENDO VERDADE, DEIXO DESDE JÁ EXPLICITA A MINHA "REVOLTA" E CONDENO LIMINARMENTE O PROCEDIMENTO PORQUE NÃO SOU SINDICALISTA NEM NUNCA TIVE EM GRANDE CONSIDERAÇÃO PELOS SINDICATOS EMBORA SEJA SINDICALIZADO E COM AS QUOTAS EM DIA.
FOI DIVULGADO QUE O SENHOR HUGO SOARES É PRESIDENTE DA JUVENTUDE SOCIAL DEMOCRÁTICA E POR TAL MOTIVO É FILIADO NO PSD, PRESUMO.
COMO NÃO TENHO AS MESMAS POSSIBILIDADES DO SENHOR HUGO SOARES PARA REQUERER Á ASSEMBLEIA DA REPUBLICA INFORMAÇÕES SOBRE AS FORMAS COMO SÃO GASTOS OS DINHEIROS DOS CONTRIBUINTES, VENHO SOLICITAR AO SENHOR HUGO SOARES QUE NA SUA QUALIDADE DE DEPUTADO INFORME OS SEUS CONCIDADÃOS DO QUE TEM FEITO NA SUA VIDA? OU SEJA. QUE CONTRIBUTOS TEM DADO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS? TRABALHOU OU TRABALHA? QUAL É A SUA PROFISSÃO? SE FORAM OS SEUS PAIZINHOS QUE LHE PAGARAM OS ESTUDOS? QUANTOS ANOS TINHA QUANDO SE FILIOU NO PSD? COMO CHEGOU A DEPUTADO?
CERTAMENTE QUE LHE PARECERÁ QUE OS PORTUGUESES NÃO TÊM NADA QUE SABER DA SUA VIDA PRIVADA, MAS TÊM! PELA SIMPLES RAZÃO DE QUE OS PARTIDOS POLÍTICOS SÃO SUBSIDIADOS COM DINHEIROS PROVENIENTES DO ERÁRIO PÚBLICO SENDO QUE O SENHOR HUGO SOARES CIDADÃO E O SENHOR HUGO SOARES DEPUTADO SÃO DIRETAMENTE BENEFICIADOS.
O SENHOR HUGO SOARES JOTINHA E O SENHOR HUGO SOARES DEPUTADO DESCONHECEM O QUE É A DEMOCRACIA E O QUE SÃO DIREITOS CONSAGRADOS NA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ONDE SE INCLUI O DIREITO À GREVE.
O SENHOR HUGO SOARES CIDADÃO E O SENHOR HUGO SOARES DEPUTADO FICARAM INCOMODADOS COM A GREVE DOS PROFESSORES, COM A QUAL NÃO CONCORDO NEM DISCORDO, SOU NEUTRO, E ENTÃO AMBOS VIERAM A TERREIRO, NA VÃ TENTATIVA DE INDUZIR OS PORTUGUESES A CONDENARAM A ATIVIDADE SINDICAL QUE SEGUNDO ELE SERIA PAGA POR TODOS OS PORTUGUESES.
O SENHOR HUGO SOARES MANIFESTOU UM SEGUIDISMO VERGONHOSO, CONFRANGEDOR, ANTIDEMOCRÁTICO, E DE IDEOLOGIA FASCISTA QUE COMO SE SABE É PROIBIDA POR LEI.
SENHOR HUGO SOARES ENTENDE QUE O SINDICALISMO DEVIA SER INVIABILIZADO, OS SINDICALISTAS PRESOS E O DIREITO À GREVE RETIRADO DA CONSTITUIÇÃO.
PORQUE É QUE O SENHOR HUGO SOARES DEPUTADO NÃO FAZ REQUERIMENTOS PARA SE SABER QUANTO É QUE QUE O ESTADO "INJETOU NO BANIF, NO BCP, NO BPN, QUANTO ROUBOU O SR. DUARTE LIMA, O SR. OLIVEIRA E COSTA, O SR DIAS LOUREIRO, O SR. ISALTINO, E OUTROS TANTOS QUE JÁ LHE PERDEMOS A CONTA E TODOS ELES DO PSD. 
FIXEM O NOME "HUGO SOARES". CUIDADO!
ATENTEM NA TURQUIA, NO EGITO, E ULTIMAMENTE NO BRASIL.
SIGAM O EXEMPLO DAQUELE POLICIA BRASILEIRO QUE SE RECUSOU A COMBATER OS SEUS CONCIDADÃOS.
TEMOS QUE DERROTAR OS PASSOS, OS HUGO, OS VITOR, OS SILVAS E OUTROS TANTOS QUE MAIS NÃO FAZEM QUE "SACAR".
NOS ASSISTIMOS IMPÁVIDOS E SERENOS ENQUANTO ELES DIZEM QUE SOMOS UM POVO TRABALHADOR, HUMILDE, E NOS PASSAM ATESTADOS DE IMBECILIDADE E DE BURRICE.
ABRAÇO

segunda-feira, 10 de junho de 2013

EM PORTUGAL AINDA HÁ HUMOR

COMPLETAMENTE PERDIDO

SOAS-ME NA MENTE
DE UMA FORMA CONSTANTE
INTERMITENTE
SINTO-ME PERDIDO

QUEM QUER INVESTIR EM PORTUGAL?

SISTEMA TRIBUTÁRIO:
IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (IVA)
IMPOSTO SOBRE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS (ISV)
IMPOSTO ÚNICO DE CIRCULAÇÃO AUTOMÓVEL (IUC)
IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMOVEIS (IMI)
IMPOSTO SOBRE PESSOAS SINGULARES (IRS)
IMPOSTO SOBRE PESSOAS COLETIVAS (IRC)
IMPOSTO PARA A SEGURANÇA SOCIAL.
IMPOSTO DO SELO (IS)
IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS (IMTI)
IMPOSTO SOBRE ÁLCOOL E BEBIDAS ALCOÓLICAS (IABA)
IMPOSTO SOBRE PRODUTOS PETROLÍFEROS E ENERGÉTICOS (ISP)
IMPOSTO SOBRE O TABACO (IT)
CONTRIBUIÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE SOLIDARIEDADE (IMPOSTO SOBRE OS REFORMADOS)
CONTRIBUIÇÃO AUDIOVISUAL (IMPOSTO PARA FINANCIAR A TELEVISÃO E A RÁDIO DO ESTADO)
HÁ AINDA UM IMPOSTO QUE SE CHAMA PAGAMENTO ESPECIAL POR CONTA (SOBRE O IRS) E UM OUTRO QUE SE CHAMA PAGAMENTO POR CONTA (SOBRE O IRC).
ESTES IMPOSTOS FUNCIONAM MAIS OU MENOS ASSIM:
O ESTADO ENTENDE QUE UM INDIVIDUO SINGULAR OU UMA EMPRESA VÃO TER UM LUCRO IDÊNTICO AO DO ANO ANTERIOR E DESTA FORMA OS SUJEITOS PASSIVOS TÊM DE ADIANTAR DINHEIRO AO ESTADO EM FUNÇÃO DESSE HIPOTÉTICO LUCRO.
CASO NÃO O FAÇAM É-LHES APLICADA UMA COIMA, MAIS CONHECIDA POR MULTA.
CASO O FAÇAM, ISTO É, ADIANTEM DINHEIRO AO ESTADO, E SE NÃO TIVEREM O DITO LUCRO IGUAL OU SUPERIOR AO ANO ANTERIOR O ESTADO SÓ LHES DEVOLVE O ADIANTAMENTO SE O RECLAMAREM E SÓ AO FIM DE CINCO ANOS SEM JUROS DE MORA. CASO MORRAM OU FIQUEM MUITO DOENTES O ESTADO PORTUGUÊS NUNCA MAIS DEVOLVE O DINHEIRO.
SE O ESTADO É DEVEDOR DEMORA MESES OU ANOS A PAGAR E NÃO PAGA JUROS.
OS PROCESSOS CIVIS EM PORTUGAL DEMORAM ANOS PARA SEREM RESOLVIDOS E POR VEZES OS INTERVENIENTES JÁ TÊM FALECIDO.

ENTRETANTO: 
O Professor Marcelo Rebelo de Sousa, um comentador politico cá da Praça que não se percebe porque razão não há ninguém que o comente, diz que o Passos não se demite e que até se vai candidatar a um segundo mandato, Deus nos acuda!, que não tem "medo" das eleições autárquicas nem dos Portugueses. Mais disse que o Passos ao produzir tais afirmações estava a dar "recados" para dentro do seu Partido, que como bem sabem é o Partido Social Democrático.
Ora. facilmente se depreende que os Políticos Portugueses não estão minimamente interessados no desenvolvimento sócio econômico de Portugal nem no bem estar dos seus concidadãos.
O MAIS IMPORTANTE PARA ELES SÃO OS PARTIDOS.
É normal que isso aconteça dada ao cariz das suas imbecilidades.
É que são de uma imbecilidade tão profunda que numa sociedade verdadeiramente democrática não conseguiam sobreviver.
Diz ainda o Professor Marcelo que a GREVE DOS PROFESSORES não tem razão nenhuma de existir porque LESA GRAVEMENTE centenas de alunos e os seus progenitores.
O senhor Professor parte do Principio errado que os professores também não têm filhos a estudar, que as GRAVES devem ser pacificas e portanto não podem prejudicar terceiros. ONDE JÁ SE VIU GRAVES SEM PREJUDICAR TERCEIROS? É que se assim fosse as GREVES NÃO FAZIAM SENTIDO.



PARA SE TER UMA IDEIA DO QUE É VIVER EM PORTUGAL, O JORNAL DE NOTICIAS, DIÁRIO DE MAIOR TIRAGEM EM PORTUGAL PUBLICOU EM 06, e 07 de Junho de 2013

MILHÕES DE PORTUGUESES ESTÃO A VIVER NO LIMIAR DA FOME E DA POBREZA QUE NOS DEVE ENVERGONHAR ( Rondão de Almeida - Presidente da Câmara de Elvas - nas festividades do 10.06 . Dia de Portugal).

TODOS OS DIAS FECHAM SEIS LOJAS NA CIDADE DO PORTO.

FARMÁCIAS HOSPITALARES DEVEM 16 MILHÕES DE EUROS.

PENA SUSPENSA PARA CHEFES DAS FINANÇAS CORRUPTAS QUE BENEFICIARAM O CARREFOUR EM QUATRO MILHÕES DE EUROS.

MÃE PROSTITUÍA DUAS FILHAS DE 10 E 13 ANOS, POR 5 E 20 EUROS.

PUNHA OS NETOS A VER TELEVISÃO PARA PODER ABUSAR DE CRIANÇAS COM 10 ANOS.

PADRASTO ABUSA DE DUAS ENTEADAS DE 10 E 15 ANOS.

O caricato disto tudo é o Sr HOLLANDE, Primeiro Ministro Francês afirmou em Tóquio, no dia 08.06.2013, QUE A CRISE NA ZONA EURO ACABOU.

SÓ SE FOR PARA ELE E PARA A FRANÇA.

Depois do que transcrevo haverá alguém que queira investir em Portugal?


sexta-feira, 7 de junho de 2013

HOJE É DIFERENTE. DOU LIBERDADE Á MINHA “VEIA” POÉTICA


Hoje, senti
O teu olhar profundo,
Meigo,
Docemente fixado em mim.
Enquanto contemplava
A beleza do teu rosto,
Dos teus lábios,
Do teu sorriso encantador,
A transbordar de alegria
De amor.
Pensava como és bela,
De uma beleza
Tão simples
Quanto singela.
Que me fazia sonhar,
Contigo viajar
Para um mundo distante
Uma galáxia qualquer
Em movimento constante
De uma forma permanente
Sentisse o calor
Do teu corpo, ardente, sedutor
E pudesse eu retribuir
O meu amor.
Mas, foste embora.
Ali fiquei eu, triste e só
Como quem chora
Pergunto-me E AGORA? 

COMO TE AMO !


AVISO AOS INVESTIDORES E AOS CAPITALISTAS

FUJAM DE INVESTIR EM PORTUGAL PORQUE É ARRISCADO.

ATENTEM.

Estou a Pensar nas "merdas" que ouço neste País.


Vitor Gaspar, ministro da econômia diz que a economia e o investimento em Portugal diminuíram no último trimestre em consequência das más condições meteorológicas verificadas.


Como é? Percebem? Eu não!!


Santa Castilho, professor, a proposito da grave dos professores que indiscutivelmente defendo, diz que a de diminuição dos nascimentos em Portugal é compensada pelo aumento dos alunos do secundário e que portanto não há professores em excesso. 


Como é? Percebem? Eu não!!


Admito a minha ignorância.


Começo a entender porque é que os "iluminados" alemães e os detentores do poder econômico que nos enviaram a troika, dizem que somos um País do SUL.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

ALIENAÇÃO PARENTAL GRAVE

LEITÃO A MANDATÁRIA DA PROGENITORA VERSUS O PROGENITOR


Exmo. Senhor Juiz de Direito.
N.J. progenitor do menor R. vem requerer procedimento criminal contra M. Leitão com domicílio profissional no Porto com e nos seguintes fundamentos.

No dia 22 de Abril de 2013, em sede de audiência que teve lugar no 2.º juízo do Tribunal Judicial M. Leitão, publicamente e na presença de quantos a estavam a ouvir incluindo a meritíssima Juíza, distinto magistrado do Ministério Público, assistentes no processo e testemunhas de ambas as partes, durante as alegações finais, emitindo grunhidos ora de baixo tom, ora em alta gritaria, gesticulando, elevando as mãos aos céus como convencida da proteção divina, manifestando uma necessidade mórbida e doentia de humilhar, injuriar, o progenitor do menor deu inicio a um discurso incoerente verborreico, sem nexo que não se relacionava nem era relevante para a boa decisão da causa.

Ainda que advertida pela meritíssima juíza de que não era “parte” mas mandatária na causa, permitiu-se, mais uma vez, com crueldade e ausência de culpa, formular juízos de valores ofensivos da honra, dignidade humana, profissional do aqui ofendido e a memória de pessoas já falecidas, afirmando perentoriamente.

“O progenitor, ora denunciante, é mau, não quer saber do filho, é portador de doença patológica genética”.

Para concluir de patologia genética seria necessário que M. Leitão fosse licenciada em Medicina o que se presume que não seja.

Mesmo que o fosse teria obrigatoriamente de consultar clinicamente o aqui ofendido.

O que é de todo inviável porque e para além de não ser médica manifesta uma inimizade muito grave contra o denunciante.

Mas ainda que o tivesse consultado teria de suspeitar de um qualquer patologia, genética ou não.

Para o diagnóstico de patologia genética M. Leitão teria de colher fluidos do denunciante e requerer exames laboratoriais aos seus genes bem como dos seus progenitores e até à quinta geração.

M. Leitão nunca teve a possibilidade de proceder ou mandar colher tais fluidos, pelo que se encontra impedida de atribuir doenças.

O denunciante sentiu-se de tal modo ofendido e humilhado que requereu à meritíssima juíza, que presidia ao julgamento, autorização para se ausentar da sala, o que não lhe foi concedido.

Obrigando o progenitor a permanecer na sala de audiências, não ordenando á mandatária da parte que se contivesse nas alegações insultuosas e caluniosas, permitindo deliberada e conscientemente que desse continuidade às ofensas a meritíssima juíza manifestou uma vontade mórbida de obrigar o ora denunciante a assistir uma quantidade de chorrilhos ofensivos da sua dignidade humana, honra e injuriosos.

M. Leitão, manifesta de uma forma obsessiva e frequente este tipo de comportamento injurioso e calunioso.

Ao longo de sete anos tem manifestado comportamentos exageradamente obstinados com excessos de subtileza e uma defesa contra o que ela de forma doentia entende por hostilidades.

Poder-se-ia entender como uma variedade da personalidade normal com impulsos obsessivos – compulsivos mas dada às suas atitudes provocadoras, persistência das suas reações, ao rancor patológico, hostil e ao elevado grau da sua fixação no ora denunciante, manifesta uma neuroses compulsiva.

No dia 28 de Agosto de 2008, pelas 15,15 horas M. Leitão no interior do Posto Policial, onde se deslocou-se propositadamente para tratar assunto da sua cliente, segundo a sua justificação, mais uma vez e na presença dos agentes da autoridade injuriou o ora requerente chamando-lhe demente; esquizofrênico; ladrão; desequilibrado mental,

No dia 15 de Setembro de 2008, pelas 21,00 horas M. Leitão, acompanhada pelo seu filho C. F. P. Leitão C., residente em Vila Nova de Gaia, fazendo-se transportar no veículo Volkswagen matricula 00-00-00, deslocou-se para a residência do denunciante.

Quando o denunciante procedia à entrega do menor seu filho à sua progenitora, conforme o determinado pelo Tribunal de Família e Menores, processo nº 0000/000, em plena via pública e na presença de quantos a quiseram ouvir, M. Leitão, injuriou-o de demente; esquizofrênico; ladrão; desequilibrado mental, paga a pensão de alimentos porque preciso que a C. me pague.

No dia 17 de Janeiro de 2012, M. Leitão em plena via pública e nas proximidades da Câmara de V. N. de G., na presença de quantos a quiseram ouvir, injuriou o ora denunciante chamando-lhe demente; esquizofrênico; ladrão; desequilibrado mental.

Ao longo do processo nº 0000/000, que decorre termos no Tribunal de Família e Menores, transcreve em peças processuais de sua autoria expressões que configuram ilícitos como crime de injúria e difamação, que aqui se dão por integralmente reproduzida: - demente; esquizofrênico; ladrão; com delírios e delírios psicóticos; insana audácia; inexplicável; inteligível; instabilidade emocional e mental; desequilibrado mental e emocional; afetado no seu discernimento; prepotente; violento; agressivo; instável; intranquilo; ansioso; portador de psicose; comportamentos exóticos; mente perversa e angulosa; não se encontra em pleno uso das suas faculdades mentais.

Por tais ilícitos M. Leitão foi constituída arguida nos processos 0000/00.0, Tribunal Judicial, 4.ª Juízo Criminal; 0000/00.0, Tribunal Judicial, 3.º Juízo Criminal; 0000/00.0 Tribunal Judicial de, 2.º Juízo Criminal,

No entanto não se inibe de dar continuidade à sua atividade ilícita de forma deliberada, consciente e continuada.

DA APRECIAÇÃO MEDICO LEGAL

Em todos os processos onde se inclui o processo nº 0000/00.0, assume-se como Parte, luta obstinada e insistentemente pelo que entende serem os seus “direitos,” alimenta denúncias sobre denúncias (14), projeta hostilidade e agressividade desmedida contra o progenitor do menor, que mais não faz que proteger o seu filho.

Ao longo de sete anos, projetando o seu ódio difunde-se e constitui-se numa unidade pseudo-patológica delirante que a impede de uma avaliação crítica do seu comportamento antissocial.

Acredita piamente que o progenitor é portador de um número indefinido de doenças psiquiátricas, que por tais doenças espalha calúnias, que a persegue por de trás de uma infinidade de disfarces como por exemplo vestir-se de gabardine, em pleno verão, e de chapéu preto de abas largas.

Em todos os atos processuais nos quais se envolve, faz envolver o menor filho do denunciante e a sua cliente, manifesta uma conduta, reações comportamentais, emocionais sem conteúdo de ideias, orientando a sua vida num sentido único que tem por objetivo destruir e denegrir a imagem paterna perante os tribunais.

Comportamento que a incapacita de um raciocínio coerente que a conduz a formular juízos de valores e a atribuir doenças de foro psiquiátrico.

Não resiste aos seus impulsos de discurso escrito e verbal intenso, acelerado, normalmente associado a uma fuga de ideias.

Exibe frequentemente várias alterações de conteúdo e formas de linguagem numa manifestação clara de mania ou hipomania não associada a alterações de humor, que faz presumir transtornos mentais orgânicos que a induzem de uma forma, quiçá inconsciente, a denunciar o progenitor do menor como sendo portador de doenças de foro psiquiátrico e mais recentemente ser portador de doença genética, com mente angulosa, erótica e comportamentos exóticos.  

As suas falsas imputações caraterizam um elemento “castrado” de ambições frustradas, fracassos na realização de objetivos, de prestígio, de auto estima, uma necessidade patológica de demonstrar superioridade, portadora de tendências e impulsos agressivos desencadeados por mecanismos de compensação revelando uma personalidade perigosa incompatível com à sã convivência em sociedade.

Tomada por sensações vagas, imaginativas de medos cuja origem se presume em incidentes prováveis da sua vida passada, interpreta e incorpora-os na estrutura de percepção presente.

Engendra planos malévolos, desenvolve atitudes persecutórias na procura deliberada e consciente de lesar o progenitor do menor e que contra ele se instaure procedimentos criminais.

Confiante nas “suas certezas” defende e difunde obstinadamente as suas deturpadas “racionalizações.”

Usando todos os tipos de estratagemas incluindo os meios processuais, a provocação pessoal, recorre invariavelmente a falsos testemunhos e esforça-se em “argumentos” para convencer os tribunais da veracidade dos seus pensamentos porquanto a sua insegurança a impede de agir de uma forma racional.  

Das suas transcrições, alegações ofensivas, impulsivas frequentemente caricatas, como por exemplo comportamentos exóticos, mente angulosa e erótica, insidiosas, incoerentes, numa sucessão sistematizada e rígida de delírios persecutórios, descabidas de fundamentos para a boa decisão das causas, modela os traços de uma personalidade patológica que ela pretende atribuir ao progenitor do menor.

A sua incapacidade de raciocínio lógico impede-a de compreender que toda e qualquer ação litigiosa contra o progenitor lesa indubitavelmente os direitos econômicos, culturais, educacionais, morais e afetivos de uma criança que não é seu filho, mas que segundo deixa transparecer é ela, assumindo-se como Parte nos processos, que manda e tudo “controla”.

Assume os incidentes banais uma importância empolada. Como consequência os processos contra o progenitor expandem-se numa espiral constante e infinita, o que implica que este exerça o seu Direito de resposta que lhe desencadeia angústias, prejuízos patrimoniais e não patrimoniais muito graves.

Por tais razões, não existem fundamentos que a possam excluir da ilicitude da sua culpa pela exclusão de um estado de necessidade desculpante, um direito de necessidade, ou um direito de legítima defesa.

Sabendo-se que todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a Lei, (art.º 13.º, nº 1 da CRP) que a integridade moral e física das pessoas é inviolável, (art.º 25.º, nº 1, da CRP),que o Bom Nome, a reputação, a imagem, a dignidade pessoal e a identidade genética do ser humano são Direitos Pessoais (art.º 26.º, nº 1, e nº 3, da CRP), independentemente de serem Juízes, advogados, auxiliares de ação médica ou médicos.

Com as adaptações necessárias ao caso em apreço, o denunciante não se inibe de fundamentar a sua denuncia não só na CRP como e também na sentença proferida pelo meritíssimo juiz de Direito, no Processo nº 0000/00.0, embora sabendo que a mesma não produz júri prudência.

Processo nº 0000/00.0  – SENTENÇA

Sendo certo que o crime de injúria, p e p. pelo art.º 181.º, nº 1 do C.P, destina-se a proteger o valor pessoal ou interior que é devido a outrem por força da dignidade pessoal que a todos é reconhecida pelo nascimento e, assim, o facto da mesma ser portadora de determinados valores espirituais e morais irrenunciáveis, bem como a valência delas decorrentes, isto é, a sua consideração exterior ou reputação no seio da comunidade.

Sob o ponto de vista objetivo exige-se que a conduta lesiva se traduza na imputação de facto ofensivo da honra de outrem, na formulação de um juízo ofensivo da honra de outrem ou na reprodução daquela imputação ou juízo.

O legislador português, assente numa lógica de que o estatuto funcional dos cargos de determinadas pessoas acrescenta uma mais-valia à própria honra, passou a considerar que os atos desonrosos que atacassem essa honra acrescida ou densificada mereciam uma maior punição.

A vítima é um reputado médico especialista em ginecologia/obstetrícia, cirurgião, medicina geral, medicina legal com atividade exercida no Tribunal da Comarca de Chaves, entre outras sub especialidades da medicina ginecológica e obstetra.

Perscrutando a matéria de facto a denunciada repetidamente imputa doenças de foro psiquiátrico ao denunciante e formula sobre o mesmo juízos ofensivos da sua honra e consideração pessoal, familiar (patologia genética) e profissional que ultrapassam claramente o necessário para a defesa dos seus clientes tendo em conta os sentimentos do homem médio.

Sob o ponto de vista subjetivo o crime de injúria agravada exige o dolo, isto é, o conhecimento e vontade por parte do agente de estar a imputar factos ou formular juízos desonrosos, demonstrando com a sua execução, uma atitude pessoal contrária ou indiferente ao dever ser jurídico-penal (cfr. DIAS, Jorge de Figueiredo, ANDRADE, Manuel da Costa, in Direito Penal, lições da cadeira de Direito Penal (3.º ano) 1996, página. 268/9).

Atendendo aos factos já provados em processos anteriores (certidões em anexo) e à sua sistemática repetição, é de presumir que a denunciada agem com dolo direto (cfr. art.º 14.º, nº 1, do C.P.

Refira-se que, mesmo que se entendesse que a denunciada teria um estado de necessidade desculpante, um direito de necessidade, o certo é que a mesma não era fundamental no momento em causa (cfr.art.º 32,º do C.P.C.) e tanto mais quando ela bem sabia que o denunciante não podia exercer o direito de legítima defesa nem de contradita.

Deste modo, no modesto entender do denunciante é objetiva e subjetivamente que a denunciada praticou o crime de injúria agravada p. e p. pelo art.º 181.º, nº 1 e 184.º, por referência ao art.º 132, nº 2, al.1) do C.P.  

Enquadramento jurídico-penal da conduta da denunciada.

O crime de injúria é punido com uma pena de prisão de 1 mês a 3 meses ou, em alternativa com pena de multa de 10 a 120 dias (cfr.artº. 41.º, nº 1, 47.º, nº 1, 181,º, nº 1, do C.P.)

O crime de injúria agravado é punido com a pena aplicável ao crime de injúria agravada de metade nos seus limites mínimo e máximo (cfr. art.º 184.º do C.P.).

No sistema jurídico-penal português as reações criminais não privativas da liberdade assumem preferência sobre as penas detentivas, desde que as primeiras satisfaçam de forma adequada e suficiente as finalidades da punição, isto é, a proteção dos bens jurídicos e a reintegração do agente de um crime na sociedade (cfr. art.º 40.º e 70.º,do C.P.).

No caso sub Júdice, não se pode deixar de atender à idade do denunciante, ao facto de não possuir antecedentes criminais e beneficia de elevada reputação social e profissional.

Nos termos dos art.º 47.º e 71.º, do C.P., a determinação dos dias de multa tem como critérios a culpa do agente e as exigências de prevenção, sendo a função desempenhada por cada um destes critérios definida de acordo com a chamada teoria da moldura da prevenção ou da defesa do ordenamento jurídico.

Deste modo, a prevenção geral de integração está incumbida de fornecer o limite mínimo, que tem como fasquia superior o ponto ótimo de proteção dos bens jurídicos e inferior o ponto abaixo do qual já não é comunitariamente suportável a fixação da pena sem pôr em causa a sua função tutelar.

Por seu turno, a culpa, entendida em sentido material e referida à personalidade do agente expressa no facto, surge como limite inultrapassável de toda e qualquer consideração preventiva.

Ora, dentro desses limites cabe à prevenção especial a determinação da medida concreta da pena, sendo de atender à socialização do agente.

Assim, importa ter em conta, dentro dos limites abstratos definidos pela lei, a todas as circunstâncias que, não fazendo parte do tipo legal de crime, deponham a favor ou contra a denunciada, na medida em que se mostrem relevantes para a culpa ou para exigências preventivas.

Não se pode esquecer que e para além da repetição sistemática do ilícito a denunciada age sempre com a modalidade mais intensa do dolo, que se mostra direto, com a agravante de ser advogada.

O teor das palavras utilizadas, os locais onde são produzidas, a sua produção repetitiva são objetivamente graves, porque idôneo a lesar o respeito devido a um médico.
  
RESPONSABILIDADE CIVIL.

Na nossa ordem jurídica, o principio basilar da responsabilidade civil extracontratual decorrente da prática de atos ilícitos encontra-se plasmado no art.º 483.º, n.º 1, do C.C., segundo o qual “aquele que, com dolo ou mera culpa, violar ilicitamente o direito de outrem ou qualquer disposição legal destinada a proteger interesses alheios fica obrigado a indemnizar o lesado pelos danos resultantes da violação”.

A partir do referido preceito legal constata-se que são cinco os pressupostos da referida modalidade de responsabilidade civil: o facto, a ilicitude, a imputação subjetiva do facto ao lesante (culpa), o dano e o nexo de causalidade entre o facto e o dano.

Perscrutando a matéria de facto, pela frequência com que é produzida, o demandante não tem dúvidas que a demandada pratica, por ação, factos voluntários já que era passível de controlo por parte da mesma, sendo antijurídico ou contrário ao Direito, porque violador de direitos individuais de outrem e, assim, ilícito.

Ora, uma vez que a demandada podia e devia ter agido de outra forma, a sua conduta é ético-jurídica e profissionalmente censurável e, assim, culposa, tanto mais que é advogada, tendo atuado com dolo direto.

O demandante invoca que em consequência das condutas da demandada sofreu danos não só de ordem patrimonial gravíssimos, não patrimoniais como danos morais e psicológicos.

Sabe-se que o exercício da medicina é interdito a um médico portador de anomalias psíquicas e ainda que sob suspeita a credibilidade profissional é gravemente lesada.

Na qualidade de progenitor do menor, perante o Tribunal de Família e Menores, o demandante tem sido humilhado, ofendido na sua dignidade humana, pessoal e profissional.

Ao atribuir doença genética, a demandada ofende gravemente todos os antepassados do demandante.

O dano consiste na perda que o lesado sofreu, em consequência de certo facto, nos interesses que o direito violado ou a norma infringida visam tutelar.

Ao lado do dano real, assim definido, há o dano patrimonial, que se traduz no reflexo do dano real sobre a situação patrimonial do lesado.

Contudo, não basta a demonstração dos danos sofridos, tomando-se necessário imputar objetivamente tais eventos danosos à conduta do lesante, pelo que importa lançar mão da doutrina da casualidade adequada, como vem entendendo a jurisprudência, na sequência aliás, do previsto no art.º 563.º, do C.C.

Segundo a teoria da casualidade adequada, causa, há-de ser toda a condição que, segundo as máximas da experiência, a normalidade do acontecer e os conhecimentos especiais do agente é, em concreto e em abstrato, idônea a produzir o resultado verificado.

Assim, para que haja causa adequada, não é de modo nenhum necessário que o facto, só por si, sem a colaboração de outros, tenha produzido o dano. Essencial é que o facto seja condição do dano, mas nada obsta a que, como frequentemente sucede, ele seja apenas uma das condições desse dano.

Para que um dano seja considera como efeito adequado de certo facto não é necessário que ele seja previsível para o autor deste facto. Essencial é apenas que o facto constitua em relação ao dano uma causa objetivamente adequada.

Por fim, a causalidade adequada não se refere ao facto e ao dano isoladamente considerados, mas ao processo fatual que, em concreto, conduziu ao dano.

Ora, tendo em conta tal entendimento, todos os danos demonstrados são perfeitamente imputáveis à conduta da demandada.

Assim, no que concerne a estes danos, uma vez que se verificam todos os pressupostos da responsabilidade civil extracontratual por factos ilícitos, natural e forçoso é concluir que a demandada é a única responsável pela sua produção, constituindo assim na obrigação de indemnizar o lesado.

Determinados os danos de que o facto praticado pela demandada foi causa adequada, são todos esses, e só esses, que, em princípio, à responsável incumbe reparar.

A obrigação que impede sobre esta terá como escopo essencial, nos termos do art.º 562.º do C.C., a reconstituição da situação que existiria, se o facto não se tivesse verificado.

O objetivo essencial da indemnização força, além do mais, a reparar os danos de que o facto foi a causa adequada (cfr. Art.º 563,º do C.C.), e a deduzir, por outro lado, as vantagens que o lesado não teria tido, se não fora aquele facto.

O art.º 566.º, nº 1, do C.C. estabelece como regra a reparação do dano mediante reconstituição natural.

O fim da Lei é, por conseguinte, o de prover à direta remoção do dano real à custa da responsável.

Contudo, nem sempre o recurso à reconstituição natural permite resolver satisfatoriamente a questão da reparação do dano.

Na verdade, há casos em que a reconstituição natural não é sequer possível, a par de outros em que ela não é meio bastante para alcançar o fim da reparação ou não é o meio idôneo para tal.

Nesses casos, a indemnização deve ser fixada em dinheiro, tendo como medida a diferença entre a situação patrimonial do lesado, na data mais recente que poder ser atendida pelo tribunal e que teria nessa data se não existissem danos (cfr. Art.º 566.º, n.º 1 e 2, do C.C.

No que aos danos não patrimoniais diz respeito deverá ser admissível a sua reparação, não como sendo uma indemnização em sentido estrito, mas sim como uma compensação, pois “mais vale proporcionar à vítima essa satisfação do que deixá-la sem amparo”.

Relativamente aos incômodos, não sendo os menos graves, não justificam indemnizações por danos não patrimoniais (cfr. Ac. Do Supremo Tribunal de Justiça de 12 de Outubro de 1973, in Boletim do Ministério da Justiça, n.º 230, página. 107 e seguintes.)

Ora, os danos patrimoniais e não patrimoniais sofridos pelo ofendido são suficientemente graves para justificarem a fixação de uma compensação (cfr. Art.º 496.º do C.C.).

Deste modo, atendendo às consequências da conduta da demanda, aos contextos em que as contendas têm decorrido, às condições socioeconômicas, profissão e idade do ofendido entende-se ajustada para compensar o demandante dos danos patrimoniais e não patrimoniais que tem sofrido em consequência da conduta da demanda a quantia de 25.000.00€ (vinte e cinco mil euros).

TERMOS EM QUE REQUER O COMPETENTE PROCEDIMENTO CRIMINAL E PROCEDENTE O PEDIDO DE INDEMNIZAÇÃO CIVIL.


ADMITE-SE A IGNORÂNCIA DOS MENOS CULTOS, O QUE NÃO SE ADMITE É A IGNORÂNCIA JORNALISTICA.

TESTE COM VINAGRE PODE EVITAR MORTE POR CANCRO

ARTIGO PUBLICADO NO JORNAL DE NOTICIAS DE 03.06.13 PÁGINA 04

Sob o título em epígrafe o Jornal de Noticias fez publicar um artigo que não me inibo de transcrever não no sentido crítico, porque não perco tempo com imbecilidades jornalísticas, mas antes com o objetivo de transmitir conhecimentos a todas as mulheres.

TÍTULO DO ARTIGO
TESTE DO VINAGRE PODE EVITAR MORTE POR CANCRO.
ESTUDO.
Um simples teste com vinagre poderá evitar 73 mil mortes de cancro do colo do útero por ano em todo o Mundo, refere um estudo Indiano.
O teste Papanicolau conseguiu reduzir os casos, mas há países como a Índia onde não está disponível e continua a ser a principal causa de morte.
Um funcionário dos cuidados de saúde primários passa vinagre no colo do útero, o que faz com que os tumores pré-cancerosos fiquem brancos. Os resultados são conhecidos logo a seguir quando utiliza uma luz brilhante na zona. O estudo feito em 150 mil mulheres concluiu que o teste reduziu 31% as mortes.

COMENTÁRIO
Era nos grato saber com que fundamentos médico científicos um FUNCIONÁRIO? Diz que o teste do vinagre pode evitar 73 mil mortes em todo o mundo.
Tal afirmação permite-nos presumir que o dito funcionário nunca saiu da Índia e daí ser esse o seu mundo.

Recuso aceitar a ideia de que na Índia não se proceda ao rastreio do cancro do colo uterino utilizando-se o teste de Papanicolau que é um exame simples e econômico.

Sabe-se que as células superficiais do colo uterino quando se encontram alteradas são ricas em glicogénio e por tal razão têm uma apetência para o ácido acético (vinagre), daí as zonas ACETO BRANCAS, o que não é sinônimo de células cancerosas e muito menos de cancro.

A história da LUZ BRILHANTE” também não me parece um exame muito credível e por conseguinte não aceitável.

Portanto aconselho as mulheres a não introduzir vinagre nem luzes brilhantes na vagina para a execução de teste de cancro do colo uterino porque correm o risco de sofrerem queimaduras.

RASTREIO DO CANCRO DO COLO UTERINO
O Papanicolau ou Citologia Cervico Vaginal é um exame que deve ser feito a todas as mulheres com vida sexual ativa.
Colhe-se as secreções do colo uterino, faz-se um esfregaço em lamela, fixa-se com um fixador que pode ser laca (método convencional) e envia-se para o laboratório.
No entanto, desde há cerca de 20 anos, o exame acima descrito tem vindo a ser substituído por um outro denominado THIN PREP PAP TESTE, no qual as secreções colhidas são introduzidas em meio líquido e de igual modo enviadas para o laboratório.
O THIN PREP PAP TESTE é um método mais eficaz de diagnóstico, mas e no entanto é mais dispendioso, em cerca de 10€, do que o método do esfregaço.
O laboratório transmite os resultados ao médico segundo a classificação de Bethesda e em função dos mesmos determina outros procedimentos como:
Não tomar qualquer atitude nos casos de Grau I;
Tratar nos casos de inflamação ou agentes infeciosos (grau II);
Proceder a outros meios complementares de diagnóstico como nos casos de infeções por HPV, (HUMAN PAPILOMA VÍRUS), ASCUS (Células Escamosas Atípicas de Significado Indeterminado que representam 4 a 6% do total dos exames feitos) LSIL  (Lesão intra epitelial de baixo grau), HLSI (lesão intra epitelial de alto grau), e assim por diante até outras classificações de significado, diagnóstico (CIN I; II, III) e prognóstico mais reservado que me escuso a descrever por exaustivos e evitar angústias desnecessárias nas mulheres.
Após a informação do laboratório procedemos a um exame denominado COLPOSCOPIA, que se traduz pela observação através de um microscópio de elevada resolução adaptado à vagina e que se chama COLPOSCOPICO.
Procedemos à limpeza das secreções e aplicamos ácido acético, vulgo vinagre, a 3% ou 5 % e observamos se surgem zonas aceto brancas.
Na presença de zonas aceto brancas procedemos à aplicação de lugol forte  (Solução de Schiller) e observamos os locais de reação.
Havendo reação procedemos à biopsia desses locais enviando os produtos para o laboratório que faz o diagnóstico ou não, porque muitas vezes é negativo, de cancro do colo uterino.
Portanto o diagnóstico de cancro do colo uterino é um diagnóstico anatomopatológico e não um diagnóstico feito através do vinagre.

SÓ NA ÍNDIA! Com o respeito que é devido aos indianos.

SÓ EM PORTUGAL É QUE SE PUBLICA UMA NOTICIA DESTE GÊNERO.

CARAS E ESTIMADAS SENHORAS, NÃO INTRODUZAM VINAGRE NA VAGINA PORQUE É UM ÁCIDO, ALTERA O PH VAGINAL, DESENCADEIA DOENÇAS DENOMINADAS VAGINITES E PODEM FICAR COM UMA VULVA/VAGINITE POR QUEIMADURA.  



domingo, 2 de junho de 2013

Balada da neve - Poema de Augusto Gil





Balada da neve

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
. Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

Augusto Gil

O CIRCO

A Republica Romana versus a Republica Portuguesa

A Republica Romana (509 a 0000 antes de Cristo (a.C.) e de 0000 a 27 depois de Cristo (d.C.).
Para os que entendem menos ou esqueceram a Historia Universal cumpre elucidar que nos encontramos no ano 2013 d.C.
No período Republicano, ao Senado Romano era conferido grande Poder Político.
Por equivalência, no nosso sistema o Senado denomina-se Assembleia da Republica, e os senadores deputados. TOPAM?
Os senadores, de origem patrícia cuidavam das finanças públicas, da administração e da política externa.
Os Patrícios eram provenientes de famílias abastadas e só esses é que tinham possibilidades de acesso ao Poder.
No nosso sistema político os deputados muitos não são de origem patrícia, mas querem ser, e chegam ao Poder através das jotas, denominados por jotinhas.
Enquanto na estrutura política da Republica Romana eram os senadores que governavam o País em Portugal os deputados vão dormir para o Parlamento, contar anedotas, usarem os computadores para “viajarem na Net, no Facebook, em outras viagens duvidosas” e o que é mais grave injuriarem-se uns aos outros. Como alguém já disse, UMA GRANDE PALHAÇADA.
Em Portugal, os equivalentes dos senadores são os Ministros, secretários de Estado, Secretários dos Secretários e assim sucessivamente num infindar de parasitas sociais e tachistas.    
As atividades executivas eram exercidas pelos cônsules e pelos tribunos da plebe, digamos que são os equivalentes dos tribunais atuais.
Os tribunos da plebe representavam os plebeus e lutavam para que estes tivessem uma maior participação na vida pública e melhores condições de vida.
Os plebeus ocupavam a base da pirâmide social e os seus direitos enquanto cidadãos eram completamente reduzidos.
No ano 367 a.C. foi aprovada a Lei Licínia que garantia a participação dos plebeus no consulado e aboliu a escravidão que se aplicava aos plebeus por falta de pagamento de dívidas.
No entanto, esse consulado era composto por dois eleitos sendo que um era Patrício e o outro um plebeu.
Relembro que só os Patrícios eram os verdadeiros cidadãos Romanos.
Por semelhança os alemães são os Patrícios e os verdadeiros cidadãos da União Europeia, os restantes são a plebe.
Decorridos 2480 anos, verificamos que continuam a existir os PATRICIOS, dos tempos modernos ora denominados por BANQUEIROS, e os plebeus ora denominados contribuintes ou ESCRAVOS FISCAIS.
Os PATRICIOS dos tempos modernos, nalguns casos, raros, estão na cadeia onde lhes são conferidas todas as mordomias enquanto os processos se arrastam pelos tribunais até que prescrevam e eles sejam euforicamente libertados.
Os PLEBEUS desgraçados, crianças, jovens, menos jovens, velhos, reformados, desempregados e trabalhadores são contributivamente escravizados até à morte ou até às tentativas de suicídio para liquidar as dívidas que em seu nome foram realizadas pelos PATRICIOS E SEUS COLABORADORES, como por exemplo essa “cambada de políticos com que Portugal e a Europa se confrontam.

ROMA VERSUS BERLIN

Após ter perdido a segunda Guerra Mundial, as conquistas económicas mudaram a vida e a estrutura da Alemanha.
O império alemão é mais comercial e industrial do que agrário e passa por significativas mudanças.
Os povos “conquistados” a que muito pomposamente e de uma forma pejorativa denominam de cidadãos do Sul da União Europeia, (os Romanos chamavam-lhe bárbaros) são escravizados através de uma sobrecarga desenfreada, avassaladora, ilícita e insuportável de impostos.
As províncias da Alemanha, como Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Irlanda, Chipre e mais se lhe seguirão (regiões controladas por Berlin) rendem grandes recursos económicos.
A capital do Império enriquece e a vida dos alemães mudou. OS POVOS DA UNIÃO SÃO ESCRAVIZADOS.
Com o crescimento urbano vieram também os problemas sociais para Portugal.
A escravidão fiscal está a gerar aumento do desemprego rural e nas cidades do litoral.
Esta massa de desempregados continua a migrar para as grandes cidades em busca de empregos e melhores condições de vida.
Receosos de que possa acontecer alguma revolta de desempregados, os imperadores criaram a política do Pão e Circo.
Esta consiste em oferecer aos escravos alimentação e diversão.
Em Portugal a alimentação é assegurada pelas Sopas do Pobres ora denominadas Sopas Solidárias, e pelas Instituições Publicas Solidariedade Social (IPSS) que segundo o publicado na Net são:
7.291, Fábio Alves (IPSS Portugal); 3.812, Helderraposo (listagem IPSS); 5.442, Cátia Carvalho (Agosto, IPSS Net); 9.276, João de Melo (Preview documentos).
Não sabemos em verdade o número exatos destas Instituições existentes em Portugal. O que sabemos é que a larga maioria é subsidiada através dos impostos pagos pelos escravos fiscais.
Os Portugueses rejeitam liminarmente a pedinchice e entendem que as verbas aplicadas no negócio das IPSS deviam sem investidos nas empresas e no desenvolvimento do País.
A diversão ocorre diariamente com as lutas futebolísticas entre jogadores e clubes de futebol, não gladiadores como na era Romana.
O Circo mais famoso é o “Coliseu” da LUZ, com e segundo dizem seis milhões de aderentes, onde se promete tudo e nada se ganha ainda que sob a proteção de Jesus da era moderna.
Segue-se o “Coliseu” do DRAGÃO com cerca de cem mil simpatizantes, que sob a proteção e orientação do Patriarca NUNO, que não tendo 2013 anos e não é crente em milagres tudo ganha e nada promete.
Não se entende por que razão é que o Homem ainda não foi eleito como Primeiro-ministro.
Segue-se o “Coliseu” de Alvalade mais conhecido pelo “Coliseu” dos “Leões” que no modesto entender dos escravos fiscais não passam de simples “gatinhos”. Rugem! Rugem! Rugem! Mas não fazem mal a ninguém, nem aos cristãos…
O problema destes Leões é que estão constantemente a mudar “treinador” e os seus “gladiadores” já nem sabem como, quando e onde devem espetar a espada.
Depois há uma série de “Coliseus” espalhados pelo País, pensa-se que demais para o País que é Portugal, mas que tem pouco significado em termos políticos, pelo que a sua existência tem por objetivo único o entretenimento das massas.   
Desta forma, a população carente acaba por esquecer os problemas da vida, diminuindo as hipóteses de revolta.

Entretanto em Portugal:
SOBRE A FOME

64% DAS FAMILIAS APOIADAS COM FOME NO ÚLTIMO MEIO ANO (Jornal de Noticias (JN 30.05.13).

MÃE DEIXAVA ABUSAR DAS DUAS FILHAS DE 10 E 12 ANOS POR COMIDA E DINEIRO. (JN 10.05,13).

MAIS CRIANÇAS NA MENDICIDADE (JN 25.05.13).

BANCOS NÃO SÃO SENSIVEIS ÀS NECESSIDADES DA IPSS (JN 30.05.13). Porque haviam de ser quando foram os Bancos que “criaram a crise económica”?

MAIS SUICIDIOS EM ZONAS RURAIS ISOLADAS (JN 30.05.13).


ABUSOS SEXUAIS SOBRE AS CRIANÇAS.

36 CRIANÇAS ABUSADAS SEXUALMENTE DESDE O INICIO DE 2013 (JN 10.05.13).

1000 INQUÉRITOS POR CRIMES SEXUAIS. (JN 25.05.13)

EX-GUARDA-REDES DE FUTEBOL CONDENADO POR VIOLAÇÃO DAS SUA ENTEADAS COM 13 E 15 ANOS. (JN 04.05.13)

12 ANOS DE CADEIA POR ABUSAR SEXUALMENTE DE 78 CRIANÇAS (JN.09.05.13).

FORÇAVA NETA DE CINCO ANOS A VER FILMES PORNOGRAFICOS (JN 23.05.13)

PEDÓFILO ABUSA DE MENINA COM OITO ANOS E AMEAÇA DESPEDIR O PAI. (JN 23.05.13)

1525 CASOS DE ABUSOS SEXUAIS SOBRE CRIANÇAS. (JN 28.05.13)

VIOLOU E FOTOGRAFOU SEXO COM ENTEADA (JN 01.06.13)



VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇAS

EM 2012 FORAM PARTICIPADAS À LINHA SOS CRIANÇAS 116000 CRIANÇAS DESAPARECIDAS. É O DOBRO DO ANO DE 2011. (JN 25.05.13).

4097 CRIANÇAS DESAPARECIDAS EM 2012. (JN 25.05.13).

152 CRIANÇAS FORAM RAPTADAS PELOS PAIS. (JN 25.05.13).

NO ANO DE 2012 DESAPARECERAM POR DIA 11 CRIANÇAS. (JN 25.05.13).

DAS 53 VITIMAS DE TRAFICO HUMANO MAIS DE METADE SÃO CRIANÇAS.
(JN 25.05.13)

PROTEÇÃO DE MENORES SINALIZA 69 MIL CRIANÇA EM RISCO (JN 27.05.13). SINALIZA! JÁ NÃO SUPORTO OS SINALEIROS!

1384 CRIANÇAS ABANDONADAS. (JN 28.05.13)

6252 JOVENS VITIMAS DE MAUS-TRATOS. (JN 28.05.13)

32725 MEDIDAS APLICADAS. NÃO DIVULGAM QUAIS MEDIDAS. (JN 28.05.13)

7.000 DENUNCIAS COM ORIGEM POLICIAL (OS SINALEIROS). (JN 28.05.13)

MULHER DETIDA POR TENTAR MATAR AS FILHAS DE 5 E 11 ANOS (JN 04.05.13)



ELEIÇÕES PARA OS MUNICIPIOS.

Os políticos andam atarefados com as eleições para os Municípios, em Portugal designados por Camaras Municipais.
Existem 308 Municípios dos quais 115 têm menos de 10 mil habitantes, 93 deles localizados no Continente, 12 nos Açores e 5 na Madeira. Destes 110 municípios 38 têm menos de 5 mil habitantes.
O Jornal de Noticias publicou o artigo sobre as intenções de votos para nove dos Municípios localizados a Norte (Douro Litoral e Minho).
Observamos 9 Presidentes, e 93 deputados para as Assembleias Municipais.
Multipliquemos esse número por trezentos e teremos aproximadamente 30.000 (trinta mil) tachistas, parasitas sociais sustentados pelos escravos fiscais   

CORRUPÇÃO EM PORTUGAL

3,3 MIL MILHÕES DE EUROS ERA O VALOR DE PERDAS POTENCIAS ESTIMADAS ASSOCIADAS AOS CONTRATOS DE SWAP ESTABELECIDOS ENTRE AS EMPRESAS PUBLICAS DE TRANSPORTES E A BANCA. (JN 01.06.13).


SE NÃO FOSSE A CORRUPÇÃO PORTUGAL PODIA SER A FINLÂNDIA (JN 29.05.13).

Pois podia mas somos um País do Sul!


A CRISE E A DECADÊNCIA DO IMPÉRIO

O império passa por uma enorme crise social, moral, cultural, econômica e política.
O Estado não paga aos credores e exige que paguem impostos sobre os créditos que o próprio Estado não paga.
A corrupção dentro do governo, ministérios, municípios, assembleias, os gastos em luxo como as autoestradas, expos, estádios de futebol, frotas de automóveis, viagens dos políticos, os subsídios por tudo e por nada, etc. retiraram recursos para o investimento na atividade produtiva.
O número de escravos fiscais provoca um aumento dos desempregados e uma queda na produção.
Na mesma proporção cai o pagamento dos tributos com origem nas “províncias do Sul” Portugal, Espanha, Grécia, Itália, Irlanda, Chipre.
Em crise, com o exército enfraquecido as fronteiras ficam cada dia mais desprotegidas.
Os militares declinam as suas obrigações e um destes dias surgirá um qualquer SPARTACUS, que se revoltará contra os patrícios que deram origem à dita “crise”.
Da parte que me cabe serei um fiel seguidor desse LIBERTADOR porque já estou cansado de ser ESCRAVO FISCAL, que me impede de ter uma vida organizada e de ser um HOMEM LIVRE.