quinta-feira, 26 de setembro de 2013

TEORIA SEM CONSPIRAÇÃO - CONCEITOS MÉDICO/LEGAIS

O TEXTO É DE MINHA AUTORIA, MAIS NÃO SENDO QUE PURA FICÇÃO.
QUALQUER SEMELHANÇA COM FACTOS VERÍDICOS É PURA COINCIDÊNCIA.

UM HIPOTÉTICO SOGRO, TRANSPORTANDO AO COLO A SUA HIPOTÉTICA NETA, ASSASSINA A TIRO, NA PRESENÇA DA CRIANÇA, O HIPOTÉTICO GENRO, PRESUMIDO PROGENITOR DA MENOR, O QUAL SE ENCONTRAVA DIVORCIADO DA FILHA DO HOMICIDA.

PRIMEIRA TEORIA: SUPONHAMOS QUE O HOMICIDA É PAI ADOPTIVO DA MÃE DA CRIANÇA.
LOGO, A CRIANÇA NÃO É SUA NETA NEM O PROGENITOR É SEU GENRO.

SEGUNDA TEORIA: SUPONHAMOS QUE O HOMICIDA É O PAI BIOLÓGICO DA MÃE DA SUA NETA E QUE COMETEU UM CRIME DE INCESTO.
ENTÃO O HOMICIDA É O PAI E AVÔ BIOLÓGICO DA CRIANÇA.
QUER ISTO DIZER QUE A VITIMA É DE FACTO  GENRO DO HOMICIDA MAS NÃO É O PAI BIOLÓGICO DA CRIANÇA.

TERCEIRA TEORIA: PARTINDO DO PRINCIPIO QUE A MÃE DA CRIANÇA É FILHA ADOPTIVA DO HOMICIDA E QUE ESTE É O PAI BIOLÓGICO DA CRIANÇA O CRIME DE INCESTO DEIXA DE TER LUGAR.
NO ENTANTO, A VITIMA NÃO É GENRO DO HOMICIDA, NEM O PAI BIOLÓGICO DA CRIANÇA.

SEGUINDO AS TRÊS TEORIAS NÃO ENCONTRAMOS EM NENHUMA DELAS QUALQUER FUNDAMENTO QUE JUSTIFIQUE O CRIME DE HOMICÍDIO  E MUITO MENOS NA PRESENÇA DE UMA CRIANÇA,

QUARTA TEORIA: PODE-SE PRESUMIR DA OMISSÃO DE UM CRIME DE INCESTO OU DE UM REGISTO DE PATERNIDADE ILEGAL.
SERÁ QUE A VITIMA ASSUMIU A PATERNIDADE DE UM FILHO QUE NÃO ERA SEU E QUE POR ESTA RAZÃO FOI BARBARAMENTE ASSASSINADO?

ENTENDE-SE QUE MEDICO LEGALMENTE SERIA DE TODA A CONVENIÊNCIA A REALIZAÇÃO DE TESTES DE PATERNIDADE.