segunda-feira, 23 de setembro de 2013

COADOPÇÃO

Hoje, enquanto na sala de um advogado esperava pela consulta, fui " passando o tempo" lendo um artigo do Dr. Marinho Pinto, distinto Bastonário da Ordem dos Advogados, que admiro incondicionalmente.
Publicava na revista da Ordem dos Advogados um artigo sobre a coadopção de crianças por homossexuais.
Porque é pertinente e porque o seu raciocínio nunca me "passou pela cabeça" não me inibo de o transcrever.
Dizia ele que se um criança for adoptada por dois homossexuais do sexo masculino, terá três pais. A saber:
O pai biológico e mais os dois "pais" adoptivos.
No caso de o casal de homossexuais masculinos se separarem, e o que ficou com a criança voltar a casar com outro homem, a criança ficará então com quatro pais.
Assim a criança terá o numero de pais conforme o individuo que a adoptou se vá divorciando e casando.
Sendo um casal de lésbicas a criança passará a ter três mães.
Seguindo o mesmo raciocino a criança terá um numero de mães conforme o numero de divórcios e casamentos que a mãe adoptiva levar a efeito.
ORA ENTÃO DIGAM-ME LÁ SE OS LEGISLADORES, A ASSEMBLEIA DA REPUBLICA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA QUE HOMOLOGA AS LEIS E A JUSTIÇA PORTUGUESA SÃO OU NÃO SÃO BRILHANTES.
AUTÊNTICOS GÊNIOS!!
DEVIAM SER PROPOSTOS PARA PREMIOS NOBEL.
Irão dizer que sou maxísta, fascista, racista, discriminador, contra a liberdade sexual, etc.
Por acaso até nem sou!
No entanto E AS CRIANÇAS ? E O DESENVOLVIMENTO DA SUA PERSONALIDADE?