domingo, 2 de junho de 2013

O CIRCO

A Republica Romana versus a Republica Portuguesa

A Republica Romana (509 a 0000 antes de Cristo (a.C.) e de 0000 a 27 depois de Cristo (d.C.).
Para os que entendem menos ou esqueceram a Historia Universal cumpre elucidar que nos encontramos no ano 2013 d.C.
No período Republicano, ao Senado Romano era conferido grande Poder Político.
Por equivalência, no nosso sistema o Senado denomina-se Assembleia da Republica, e os senadores deputados. TOPAM?
Os senadores, de origem patrícia cuidavam das finanças públicas, da administração e da política externa.
Os Patrícios eram provenientes de famílias abastadas e só esses é que tinham possibilidades de acesso ao Poder.
No nosso sistema político os deputados muitos não são de origem patrícia, mas querem ser, e chegam ao Poder através das jotas, denominados por jotinhas.
Enquanto na estrutura política da Republica Romana eram os senadores que governavam o País em Portugal os deputados vão dormir para o Parlamento, contar anedotas, usarem os computadores para “viajarem na Net, no Facebook, em outras viagens duvidosas” e o que é mais grave injuriarem-se uns aos outros. Como alguém já disse, UMA GRANDE PALHAÇADA.
Em Portugal, os equivalentes dos senadores são os Ministros, secretários de Estado, Secretários dos Secretários e assim sucessivamente num infindar de parasitas sociais e tachistas.    
As atividades executivas eram exercidas pelos cônsules e pelos tribunos da plebe, digamos que são os equivalentes dos tribunais atuais.
Os tribunos da plebe representavam os plebeus e lutavam para que estes tivessem uma maior participação na vida pública e melhores condições de vida.
Os plebeus ocupavam a base da pirâmide social e os seus direitos enquanto cidadãos eram completamente reduzidos.
No ano 367 a.C. foi aprovada a Lei Licínia que garantia a participação dos plebeus no consulado e aboliu a escravidão que se aplicava aos plebeus por falta de pagamento de dívidas.
No entanto, esse consulado era composto por dois eleitos sendo que um era Patrício e o outro um plebeu.
Relembro que só os Patrícios eram os verdadeiros cidadãos Romanos.
Por semelhança os alemães são os Patrícios e os verdadeiros cidadãos da União Europeia, os restantes são a plebe.
Decorridos 2480 anos, verificamos que continuam a existir os PATRICIOS, dos tempos modernos ora denominados por BANQUEIROS, e os plebeus ora denominados contribuintes ou ESCRAVOS FISCAIS.
Os PATRICIOS dos tempos modernos, nalguns casos, raros, estão na cadeia onde lhes são conferidas todas as mordomias enquanto os processos se arrastam pelos tribunais até que prescrevam e eles sejam euforicamente libertados.
Os PLEBEUS desgraçados, crianças, jovens, menos jovens, velhos, reformados, desempregados e trabalhadores são contributivamente escravizados até à morte ou até às tentativas de suicídio para liquidar as dívidas que em seu nome foram realizadas pelos PATRICIOS E SEUS COLABORADORES, como por exemplo essa “cambada de políticos com que Portugal e a Europa se confrontam.

ROMA VERSUS BERLIN

Após ter perdido a segunda Guerra Mundial, as conquistas económicas mudaram a vida e a estrutura da Alemanha.
O império alemão é mais comercial e industrial do que agrário e passa por significativas mudanças.
Os povos “conquistados” a que muito pomposamente e de uma forma pejorativa denominam de cidadãos do Sul da União Europeia, (os Romanos chamavam-lhe bárbaros) são escravizados através de uma sobrecarga desenfreada, avassaladora, ilícita e insuportável de impostos.
As províncias da Alemanha, como Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Irlanda, Chipre e mais se lhe seguirão (regiões controladas por Berlin) rendem grandes recursos económicos.
A capital do Império enriquece e a vida dos alemães mudou. OS POVOS DA UNIÃO SÃO ESCRAVIZADOS.
Com o crescimento urbano vieram também os problemas sociais para Portugal.
A escravidão fiscal está a gerar aumento do desemprego rural e nas cidades do litoral.
Esta massa de desempregados continua a migrar para as grandes cidades em busca de empregos e melhores condições de vida.
Receosos de que possa acontecer alguma revolta de desempregados, os imperadores criaram a política do Pão e Circo.
Esta consiste em oferecer aos escravos alimentação e diversão.
Em Portugal a alimentação é assegurada pelas Sopas do Pobres ora denominadas Sopas Solidárias, e pelas Instituições Publicas Solidariedade Social (IPSS) que segundo o publicado na Net são:
7.291, Fábio Alves (IPSS Portugal); 3.812, Helderraposo (listagem IPSS); 5.442, Cátia Carvalho (Agosto, IPSS Net); 9.276, João de Melo (Preview documentos).
Não sabemos em verdade o número exatos destas Instituições existentes em Portugal. O que sabemos é que a larga maioria é subsidiada através dos impostos pagos pelos escravos fiscais.
Os Portugueses rejeitam liminarmente a pedinchice e entendem que as verbas aplicadas no negócio das IPSS deviam sem investidos nas empresas e no desenvolvimento do País.
A diversão ocorre diariamente com as lutas futebolísticas entre jogadores e clubes de futebol, não gladiadores como na era Romana.
O Circo mais famoso é o “Coliseu” da LUZ, com e segundo dizem seis milhões de aderentes, onde se promete tudo e nada se ganha ainda que sob a proteção de Jesus da era moderna.
Segue-se o “Coliseu” do DRAGÃO com cerca de cem mil simpatizantes, que sob a proteção e orientação do Patriarca NUNO, que não tendo 2013 anos e não é crente em milagres tudo ganha e nada promete.
Não se entende por que razão é que o Homem ainda não foi eleito como Primeiro-ministro.
Segue-se o “Coliseu” de Alvalade mais conhecido pelo “Coliseu” dos “Leões” que no modesto entender dos escravos fiscais não passam de simples “gatinhos”. Rugem! Rugem! Rugem! Mas não fazem mal a ninguém, nem aos cristãos…
O problema destes Leões é que estão constantemente a mudar “treinador” e os seus “gladiadores” já nem sabem como, quando e onde devem espetar a espada.
Depois há uma série de “Coliseus” espalhados pelo País, pensa-se que demais para o País que é Portugal, mas que tem pouco significado em termos políticos, pelo que a sua existência tem por objetivo único o entretenimento das massas.   
Desta forma, a população carente acaba por esquecer os problemas da vida, diminuindo as hipóteses de revolta.

Entretanto em Portugal:
SOBRE A FOME

64% DAS FAMILIAS APOIADAS COM FOME NO ÚLTIMO MEIO ANO (Jornal de Noticias (JN 30.05.13).

MÃE DEIXAVA ABUSAR DAS DUAS FILHAS DE 10 E 12 ANOS POR COMIDA E DINEIRO. (JN 10.05,13).

MAIS CRIANÇAS NA MENDICIDADE (JN 25.05.13).

BANCOS NÃO SÃO SENSIVEIS ÀS NECESSIDADES DA IPSS (JN 30.05.13). Porque haviam de ser quando foram os Bancos que “criaram a crise económica”?

MAIS SUICIDIOS EM ZONAS RURAIS ISOLADAS (JN 30.05.13).


ABUSOS SEXUAIS SOBRE AS CRIANÇAS.

36 CRIANÇAS ABUSADAS SEXUALMENTE DESDE O INICIO DE 2013 (JN 10.05.13).

1000 INQUÉRITOS POR CRIMES SEXUAIS. (JN 25.05.13)

EX-GUARDA-REDES DE FUTEBOL CONDENADO POR VIOLAÇÃO DAS SUA ENTEADAS COM 13 E 15 ANOS. (JN 04.05.13)

12 ANOS DE CADEIA POR ABUSAR SEXUALMENTE DE 78 CRIANÇAS (JN.09.05.13).

FORÇAVA NETA DE CINCO ANOS A VER FILMES PORNOGRAFICOS (JN 23.05.13)

PEDÓFILO ABUSA DE MENINA COM OITO ANOS E AMEAÇA DESPEDIR O PAI. (JN 23.05.13)

1525 CASOS DE ABUSOS SEXUAIS SOBRE CRIANÇAS. (JN 28.05.13)

VIOLOU E FOTOGRAFOU SEXO COM ENTEADA (JN 01.06.13)



VIOLÊNCIA SOBRE AS CRIANÇAS

EM 2012 FORAM PARTICIPADAS À LINHA SOS CRIANÇAS 116000 CRIANÇAS DESAPARECIDAS. É O DOBRO DO ANO DE 2011. (JN 25.05.13).

4097 CRIANÇAS DESAPARECIDAS EM 2012. (JN 25.05.13).

152 CRIANÇAS FORAM RAPTADAS PELOS PAIS. (JN 25.05.13).

NO ANO DE 2012 DESAPARECERAM POR DIA 11 CRIANÇAS. (JN 25.05.13).

DAS 53 VITIMAS DE TRAFICO HUMANO MAIS DE METADE SÃO CRIANÇAS.
(JN 25.05.13)

PROTEÇÃO DE MENORES SINALIZA 69 MIL CRIANÇA EM RISCO (JN 27.05.13). SINALIZA! JÁ NÃO SUPORTO OS SINALEIROS!

1384 CRIANÇAS ABANDONADAS. (JN 28.05.13)

6252 JOVENS VITIMAS DE MAUS-TRATOS. (JN 28.05.13)

32725 MEDIDAS APLICADAS. NÃO DIVULGAM QUAIS MEDIDAS. (JN 28.05.13)

7.000 DENUNCIAS COM ORIGEM POLICIAL (OS SINALEIROS). (JN 28.05.13)

MULHER DETIDA POR TENTAR MATAR AS FILHAS DE 5 E 11 ANOS (JN 04.05.13)



ELEIÇÕES PARA OS MUNICIPIOS.

Os políticos andam atarefados com as eleições para os Municípios, em Portugal designados por Camaras Municipais.
Existem 308 Municípios dos quais 115 têm menos de 10 mil habitantes, 93 deles localizados no Continente, 12 nos Açores e 5 na Madeira. Destes 110 municípios 38 têm menos de 5 mil habitantes.
O Jornal de Noticias publicou o artigo sobre as intenções de votos para nove dos Municípios localizados a Norte (Douro Litoral e Minho).
Observamos 9 Presidentes, e 93 deputados para as Assembleias Municipais.
Multipliquemos esse número por trezentos e teremos aproximadamente 30.000 (trinta mil) tachistas, parasitas sociais sustentados pelos escravos fiscais   

CORRUPÇÃO EM PORTUGAL

3,3 MIL MILHÕES DE EUROS ERA O VALOR DE PERDAS POTENCIAS ESTIMADAS ASSOCIADAS AOS CONTRATOS DE SWAP ESTABELECIDOS ENTRE AS EMPRESAS PUBLICAS DE TRANSPORTES E A BANCA. (JN 01.06.13).


SE NÃO FOSSE A CORRUPÇÃO PORTUGAL PODIA SER A FINLÂNDIA (JN 29.05.13).

Pois podia mas somos um País do Sul!


A CRISE E A DECADÊNCIA DO IMPÉRIO

O império passa por uma enorme crise social, moral, cultural, econômica e política.
O Estado não paga aos credores e exige que paguem impostos sobre os créditos que o próprio Estado não paga.
A corrupção dentro do governo, ministérios, municípios, assembleias, os gastos em luxo como as autoestradas, expos, estádios de futebol, frotas de automóveis, viagens dos políticos, os subsídios por tudo e por nada, etc. retiraram recursos para o investimento na atividade produtiva.
O número de escravos fiscais provoca um aumento dos desempregados e uma queda na produção.
Na mesma proporção cai o pagamento dos tributos com origem nas “províncias do Sul” Portugal, Espanha, Grécia, Itália, Irlanda, Chipre.
Em crise, com o exército enfraquecido as fronteiras ficam cada dia mais desprotegidas.
Os militares declinam as suas obrigações e um destes dias surgirá um qualquer SPARTACUS, que se revoltará contra os patrícios que deram origem à dita “crise”.
Da parte que me cabe serei um fiel seguidor desse LIBERTADOR porque já estou cansado de ser ESCRAVO FISCAL, que me impede de ter uma vida organizada e de ser um HOMEM LIVRE.